Brasília, 13 de novembro de 2018 - 01h41

Compras militares: criticar é fácil

08 de setembro de 2009
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

A decisão do governo brasileiro de fechar também com a França a compra de 36 caças - já havia acertado os contratos para a compra de submarinos e helicópteros - reforça a pretensão brasileira de se associar com países que realmente estejam dispostos a cooperar.


Não se pode gastar R$ 31 bilhões em compras que não agregam valor algum à ciência e tecnologia deste país.


A carta da Secretária de Estado norte-americana Hilary Clinton ao presidente Lula, garantindo o apoio do governo dos Estados Unidos à transferência de tecnologia da Boeing para o Brasil caso o F18 fosse o escolhido, não convenceu.


Não cabe ao governo Obama autorizar esse tipo de negócio. São os congressistas que analisam e decidem.


E o governo brasileiro se deu conta que isso não aconteceria. Gastaríamos uma montanha de dinheiro para ficarmos reféns dos interesses norte-americanos na região.


Vide o caso do Super Tucano da Embraer que não pudemos vender à Venezuela. Como a aeronave possui componentes fabricados nos Estados Unidos, eles podem nos proibir de vender para quem julgarem hostis.


Por outro lado, criticar as compras é muito fácil e muito simples.


Para um país marcado por contrastes, consumir R$ 31 bilhões em armas parace um acinte.


Muitos já dizem que é um escândalo, uma vergonha, um absurdo.


Mas, não é!


Os problemas que o Brasil enfrenta há séculos em áreas vitais como saúde, educação, infra-estrutura e insegurança, não são frutos dos investimentos realizados nas Forças Armadas.


Nem seriam resolvidos se o Brasil cancelasse esses acordos.


O grande câncer deste país está na corrupção, nos desvios de conduta, nos projetos pessoais.


O governo tenta agora, ressuscitar a CPMF. Não quer suas digitais nela por conta das eleições, ou seja, sabe que está mentido ao dizer que a nova contribuição vai resolver os problemas da saúde.


Não vai. A CPMF não resolveu porque o dinheiro irrigava outras áreas, luxos e frivolidades dos nossos políticos.


Portanto, não faltam recursos ao país.


Dinheiro, por mais que o governo tente dizer o contrário, não falta.


O que falta é vergonha na cara. Se todo o dinheiro que arrecada com impostos fossem invetsidos na melhoria dos serviços e no atendimento da população, o Brasil seria um país de primeiro mundo.


É preciso desfazer essa imagem de pobre e miserável.


Há riquezas suficientes para que ninguém passe fome, mas apesar dos programas assistencialistas do governo, 14 milhões de brasileiros não sabem o que é um prato decente de comida.


Pode-se até questionar se as escolhas foram acertadas ou se tínhamos alguma alternativa melhor.


É aceitável discutir a falta de discussão sobre o tema, a ausência de um debate que deveria travar-se no Congresso.


Ocorre que o Congresso já não tem moral para os grandes debates preso que está na podridão do dia-a-dia das questões paroquiais.


Ao se decidir pelo reaparelhamento e modernização das Forças Armadas, o governo manda uma mensagem clara àqueles que ainda nos vêem como uma republiqueta.


Gostem ou não, para sermos respeitados é preciso mostrarmos as armas, literalmente!


Marcelo Rech, 38, é jornalista com pós-graduação em Relações Internacionais e especialização em Estratégias e Políticas de Defesa. Correio eletrônico: inforel@inforel.org

Assuntos estratégicos

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...
Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...