Brasília, 27 de março de 2019 - 00h28

Relações Exteriores

24 de abril de 2005 - 17:09:00
por: InfoRel
Compartilhar notícia:
Depois de elogiar o Programa Nuclear Brasileiro em visita à  Rússia, a Secretária de Estado dos Estados Unidos, Condolezza Rice chega à  Brasà­lia na próxima terça-feira, 26, e fica até quarta-feira.

Além de tratar de temas ligados à  retomada das negociações para a criação da àrea de Livre Comércio das Américas [Alca], Rice também deverá tratar de democracia, venda de aviões para a Força Aérea Brasileira e a cooperação do Brasil com a Agência Internacional de Energia Nuclear [AIEA].

Desde que assumiu a pasta no lugar do general Colin Powell, em janeiro, é a primeira vez que ela vem ao Brasil. Condolezza Rice terá encontros com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o chanceler Celso Amorim. O giro da Secretária de Estado pela América Latina vai até o dia 30 e inclui visitas à  Colômbia, Chile e El Salvador.

A embaixada norte-americana informa que Condolezza Rice deverá fazer um pronunciamento sobre a polà­tica externa norte-americana, com ênfase na preocupação com as instabilidades polà­ticas na região, sobretudo na América do Sul, onde os Estados Unidos mantém uma relação conflituosa com a Venezuela e acompanham as crises no Equador, Peru e Bolà­via.

Ela também deverá tratar da reforma do Conselho de Segurança das Nações Unidas. No mês de março, esses temas foram discutidos com o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, em Washington. Rice quer saber detalhes sobre a Cúpula América do Sul – Paà­ses àrabes e a visita do presidente George W. Bush ao Brasil em novembro.

O convite foi feito por José Dirceu, aproveitando que o presidente Bush estará na Argentina em novembro, quando participará da reunião de Cúpula das Américas.

Esses temas já foram tratados pelo Secretário de Defesa Donald Rumsfeld, que visitou o Brasil em março. Especula-se que os Estados Unidos teriam uma nova proposta para fornecer aviões de caça para a FAB. A licitação do programa FX foi encerrada depois de dez anos sem que o Brasil tenha comprado qualquer avião para substituir os Mirages.

Condolezza Rice poderá apresentar uma nova proposta que inclui 12 aeronaves modelo F-16 usadas, por US$ 300 milhões. O pacote incluiria ainda, três aviões-cisterna KC-135. No entanto, as demais empresas que participaram da licitação dos caças também mantém a pressão.

A Saab/BAe, quer alugar 12 caças JAS-39 Gripen por US$ 80 milhões ao ano. A França oferece 12 Mirage 2000-5 que operavam na Força Aérea Francesa, por US$ 180 milhões.

Resta saber se os Estados Unidos estariam dispostos a garantir a transferência de tecnologia e o fornecimento do mà­ssil ar-ar inteligente AIM-120 Amraam. Quando participaram do processo de licitação do FX, os norte-americanos não aceitaram nenhuma das duas exigências.

Por enquanto, a FAB vai se contentando com a revitalização dos F-5 pela Embraer. Os aviões estão sendo modernizados para substituir os Mirages.