Brasília, 08 de julho de 2020 - 11h38
Conselho da Amazônia prioriza prevenção à queimadas na região

Conselho da Amazônia prioriza prevenção à queimadas na região

26 de março de 2020 - 16:43:56
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília – Nesta quarta-feira, 25, o vice-presidente Hamilton Mourão, coordenou a primeira reunião do Conselho da Amazônia, cuja prioridade será a ação preventiva para impedir este ano as queimadas e o desmatamento ilegal na Amazônia. A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina defendeu a implementação urgente de campanha de prevenção de queimadas dentro dos assentamentos da Amazônia. “É fundamental para a imagem da agricultura brasileira. Temos que deixar de ser telhado para ser vitrine. Já somos vitrine, mas precisamos reverter a nossa imagem lá fora”, lembrou.

A reunião tratou de questões ligadas aos aspectos do colegiado: a estruturação, competências e processos de funcionamento (regimento interno); bases do planejamento estratégico para atuação; necessidades de ação imediata e o plano de comunicação social.

De acordo com o Ministério da Defesa, a reunião indica o início dos trabalhos das comissões constantes do decreto de criação do Conselho (Proteção, Preservação e Desenvolvimento) e das subcomissões aprovadas no decorrer do encontro (Articulação Institucional, Cooperação Internacional, Integração de Sistemas, Saúde e Cidadania).

Entre as ações imediatas está a ativação do Gabinete de Prevenção e Combate ao Desmatamento e às Queimadas, a cargo do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), uma das prioridades do Conselho da Amazônia.

Tereza Cristina destacou que o ministério tem muito a contribuir para o desenvolvimento social e produtivo dos pequenos produtores da Amazônia, especialmente com a regularização fundiária na região. “A titulação das terras da Amazônia é fundamental. Já estamos desenvolvendo e começando a fazer essa titulação”, revelou.

A próxima reunião do Conselho será em junho. Entre as principais atribuições do grupo estão: coordenar e integrar as ações governamentais relacionadas à Amazônia Legal, propor políticas e iniciativas relacionadas à preservação, à proteção e ao desenvolvimento sustentável, de forma a contribuir para o fortalecimento das políticas de Estado e assegurar a ação transversal e coordenada da União, dos Estados, dos Municípios, da sociedade civil e do setor privado.