Mundo

Ingerência
22/01/2015
Geopolítica
28/01/2015

Política Internacional

Consolidar-se como ator internacional, o principal desafio da CELAC

Marcelo Rech, especial de San José, Costa Rica

Consolidar-se como ator internacional é o principal desafio para a Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (CELAC), que iniciou nesta segunda-feira, 26, sua terceira Cúpula Presidencial. O evento concluirá na quinta-feira, 29, com a aprovação da Declaração de San José e pelo menos outras 27 declarações especiais. A Costa Rica também transmitirá a presidência pro tempore do bloco para o Equador.

Nesta terça-feira, 26, o presidente costa-riquenho Luís Guillermo Solís, afirmou que a CELAC como bloco regional é fundamental para o aprofundamento da integração. Além disso, precisa consolidar-se como ator internacional para atuar junto aos foros multilaterais em defesa dos interesses da região.

Solís quem cumpre agora apenas nove meses à frente do governo da Costa Rica, acredita que a CELAC também possui luz própria e não concorre com a Organização dos Estados Americanos (OEA).

Ele destacou o papel desempenhado pelo organismo regional integrado exclusivamente pelos países latino-americanos e caribenhos – enquanto a OEA conta com a participação de Estados Unidos e Canadá.

“A CELAC possui uma característica única com membros da América Latina e Caribe. A CELAC com a OEA são organismos complementares”, afirmou.

Pobreza

A luta contra a pobreza e em especial, a pobreza extrema, é o tema principal desta terceira Cúpula. De acordo com o chanceler da Costa Rica, Manuel Gonzáles Sáenz, ao final do evento será aprovado um plano de trabalho que obrigará a região a reduzir a pobreza extrema num percentual aceito pelos 33 países membros, nos próximos cinco anos.

Ele destacou que a pobreza extrema deve ser atacada sem trégua e revelou que 6% da população costa-riquenha vive nesta condição. Já o presidente Luís Guillermo Solís, afirmou que a luta contra a fome é outro tema prioritário e que a CELAC irá trabalhar em conjunto com a FAO para implementar medidas em todos os países da região para minimizar gradualmente o problema até sua erradicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *