Brasília, 20 de outubro de 2019 - 01h59
Dados do contrabando de cigarros são apresentados ao Programa de Proteção Integrada de Fronteiras

Dados do contrabando de cigarros são apresentados ao Programa de Proteção Integrada de Fronteiras

25 de setembro de 2019 - 17:22:34
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília - A lucratividade do cigarro contrabandeado do Paraguai e vendido no Brasil pode atingir 231,15%. O cálculo é do Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras (IDESF), de Foz do Iguaçu (PR) e considera inclusive, as despesas das quadrilhas com a logística para fazer o produto chegar até os grandes centros consumidores brasileiros.

De acordo com o estudo, se considerada a possibilidade de intercorrências, tal como a prisão do traficante ou perda do produto por interceptação da polícia, o lucro fica na faixa de 180%, alto o suficiente para alimentar esse que é o maior mercado ilegal do país. O contrabando de cigarros representa 67,44% dos produtos que entram ilegalmente pelo Paraguai, segundo a Receita Federal.

Os dados do contrabando de cigarros foram apresentados nesta terça-feira, 24, durante reunião do Programa de Proteção Integrada de Fronteiras (PPIF), realizada na Polícia Federal de Foz do Iguaçu. A reunião ocorreu no âmbito do Grupo de Gestão Integrada de Fronteiras (GGIF) e teve a participação de representantes das forças de segurança do Brasil, Argentina e Paraguai.

A coordenação do encontro ficou por conta do Secretário de Assuntos de Defesa e Segurança Nacional, do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, brigadeiro Ary Soares Mesquita, que apresentou o PPIF e destacou a contribuição do debate para o planejamento das políticas para as áreas fronteiriças. “A política nacional de fronteira vai pensar em defesa, segurança, integração e desenvolvimento”, afirmou.

A previsão é de que essas diretrizes, construídas com a colaboração dos países vizinhos, sejam concluídas até meados do ano que vem. “Será o grande guarda-chuva para as ações do programa (PPIF) e outros programas relativos às fronteiras do Brasil”, destacou o brigadeiro.

Na apresentação do IDESF, além de trazer dados sobre os mercados ilegais publicados nos estudos do Instituto, a assessora Rosane Amadori enfatizou como caminho no combate ao contrabando a criação de políticas públicas específicas e o trabalho cooperado com os países vizinhos, buscando dar homogeneidade às soluções para as regiões fronteiriças.

A fronteira terrestre brasileira tem 16,8 mil quilômetros de extensão, inclui 11 estados e interage com 10 países. Já a faixa de fronteira que é de até 150 quilômetros de largura, corresponde a 27% do território nacional. Nessa faixa estão situadas 32 cidades gêmeas.

Agenda

Na terça-feira, 24, realizou-se uma reunião entre os integrantes do GSI/PR e os órgãos de Segurança Pública da área fronteira do Paraná. Na oportunidade, o secretário de Segurança Pública do Paraná celebrou com a Receita Federal um acordo destinado a combater diversos tipos de crime, entre os quais tráfico de drogas, tráfico de armas, contrabando e descaminho.

Outros órgãos que compõem o PPIF, tais como a Agência Brasileira de Inteligência, o Departamento Penitenciário Nacional e a Polícia Federal, realizaram palestras sobres suas respectivas missões e os desafios do trabalho interagências na faixa de fronteira.

Também foi realizada uma reunião entre a delegação do PPIF e representantes dos governos da Argentina e do Paraguai, países com os quais o Brasil compartilha uma tríplice fronteira na região de Foz do Iguaçu/PR. A delegação paraguaia demonstrou interesse em receber capacitação para agentes penitenciários. Além disso, os participantes debateram o funcionamento do Comando Tripartite e conheceram as ações sob a responsabilidade do Ministério das Relações Exteriores do Brasil no âmbito do PPIF.

Por sua vez, o Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras (IDESF) apresentou estudos sobre Segurança Pública e Desenvolvimento Social nas fronteiras brasileiras, com destaque para a quantidade de drogas, armas e cigarros apreendida pelos diversos órgãos das três esferas de governo (federal, estadual e municipal) encarregados de combater crimes transnacionais.

Nesta quarta, 25, a delegação do PPIF visitou a cidade de Guaíra/PR, onde foram visitados o Batalhão de Policiamento de Fronteira, a Polícia Federal e a embarcação Caronte, importante instrumento de combate ao crime organizado na região fronteiriça.

No último dia da visita, quinta-feira, 26, o brigadeiro Ary Mesquita, Secretário de Assuntos de Defesa e Segurança Nacional do GSI/PR, proferirá uma aula magna no curso de Pós-Graduação em Gestão, Estratégia e Planejamento em Fronteiras, implantado pelo IDESF em Foz do Iguaçu. A aula será na cátedra de Geopolítica, comandada pela professora Laura Urrejola, da Universidade de Brasília (UnB).