Brasília, 19 de janeiro de 2020 - 15h44
Defesa homenageia brasileiros mortos no terremoto que assolou o Haiti

Defesa homenageia brasileiros mortos no terremoto que assolou o Haiti

13 de janeiro de 2020 - 17:02:55
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília – Neste domingo, 12, o Ministério da Defesa homenageou os 18 militares mortos no terremoto que assolou o Haiti há exatos 10 anos. Cerca de 300 mil pessoas morreram, incluindo a médica sanitarista Zilda Arns, coordenadora internacional da Pastoral da Criança, o diplomata Luiz Carlos da Costa, o policial militar Cleiton Batista Neiva, e uma menina não identificada. Os militares, todos do Exército, atuavam na Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (MINUSTAH).

“Assim, o Ministério da Defesa reconhece o trabalho realizado por todos que atuaram na nobre Missão de Paz no Haiti, mas, sobretudo, o trabalho daqueles que atingiram o auge da dedicação à profissão militar, que, extrapolando o juramento de dar a própria vida por nossa Pátria, pereceram pela melhoria da vida de pessoas de outro país. Materializaram, assim, o que de melhor se pode oferecer à humanidade: a busca do bem comum para si e para todos os seres sobre a terra”, destacou o MD.

A Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (MINUSTAH) foi criada em 2004, para conter a deflagração de uma guerra civil naquele país, e esteve sob o comando de militares brasileiros por 13 anos, alcançando, com sucesso, níveis de segurança adequados em diversas áreas, principalmente nos bairros mais violentos da capital Porto Príncipe, como Bel Air, Cité Militaire e Cité Soleil.

O Ministério da Defesa recorda que, após o desastre, além do trabalho que o Brasil já executava, passou a desempenhar as tarefas de reconstrução e de assistência humanitária, realizando a distribuição de mais de três mil e quinhentas toneladas de mantimentos, procedimentos cirúrgicos para cerca de mil e novecentas pessoas e atendimento médico geral para outras 40 mil pessoas afetadas pelo desastre.

As tropas brasileiras deixaram definitivamente o Haiti em 15 de outubro de 2017, com todos os objetivos definidos pela ONU para o Componente Militar plenamente alcançados.