Brasília, 17 de outubro de 2018 - 12h17

Desastre no Haiti

21 de janeiro de 2010
por: InfoRel

Bruno Peron



O terremoto que teve lugar no Haiti em 12 de janeiro de 2010 comoveu o mundo.



Tarde funesta entre tantas outras carências. De país mais pobre e de menor renda per capita da América passou à condição de devastado.



A natureza apontou o dedo e escolheu uma vítima geográfica que não teria condições de resistir. Não desta vez.



A exatidão do número de mortos não é o foco do debate. Corre-se o risco de cair na frieza das cifras.



O país divide o espaço de uma ilha com a República Dominicana, tem dez milhões de habitantes e taxa de analfabetismo de 47%.



As imagens do pior desastre natural dos últimos duzentos anos no Haiti percorreram o sentimento de solidariedade em todo o mundo. A velocidade foi impressionante.



Vários países autorizaram doações milionárias e enviaram ajuda humanitária na forma de equipes médicas e socorristas, alimentos e medicamentos. O terremoto no Haiti mereceu o destaque que tem tido.



A capital Porto Príncipe ficou sem água, energia elétrica e telefone, ou seja, serviços básicos de infra-estrutura, e quarteirões inteiros foram demolidos em poucos segundos.



A tradução da expressão inglesa para os efeitos do desastre, que tem sido usada na imprensa internacional, é de que a cidade foi “achatada” ou “aplainada”.



As imagens são entristecedoras: muita poeira e escombros, corpos soterrados e sobreviventes perambulando sem rumo, crianças desamparadas e famílias armando barracas em lugares públicos. O que era preocupante para as autoridades nacionais virou motivo de angústia.



Escaparam presidiários após o colapso da Penitenciária Nacional, o Palácio presidencial ruiu, e o aeroporto virou uma bagunça. Medo de saques, novos sem-tetos e tráfego aéreo intenso e descontrolado.



O difícil ficou ainda pior no Haiti. Na incapacidade de os governos anteriores tirarem boa parte da população da pobreza, a reconstrução da infra-estrutura passa a ser a prioridade no país.



A ajuda internacional é imprescindível para este objetivo. A Minustah, missão de paz das Nações Unidas que age no país desde a deposição do ex-presidente Jean-Bertrand Aristide em 2004, contempla um desafio de proporções maiores.



É árdua a tarefa de reestruturar um país que tem sido, desde a vinda de Colombo ao continente, escoadouro de produtos como açúcar, café, algodão e cacau, base de uma economia agroexportadora.



Conhecem-se outros países latino-americanos e caribenhos com história econômica similar.



Ainda, os Estados Unidos tiveram forte presença comercial, militar e política no Haiti ao longo do século passado. O governo estadunidense decidiu repassar cem milhões de dólares para a reconstrução do país devastado. Sobraram uns trocados da crise econômica mundial.



Os Estados Unidos declararam que desejam liderar a reconstrução do Haiti. Querem ficar com o filé. A reconstrução de países e regiões traz sempre boas receitas no futuro. Lembremo-nos do Plano Marshall.



Numa situação de emergência, qualquer ferramenta que esteja ao alcance é útil para a sobrevivência, o resgate e a ajuda humanitária. As imagens da desgraça no Haiti são tristes e estimulam os diversos países a buscarem convergências e reconhecerem formas de cidadania mundial.



O que acontece no Haiti mobiliza outros países como se o mundo fosse uma grande nação.



Costumo buscar informação minuciosa sobre algum acontecimento quando não tenho a oportunidade de experiência direta para sustentar uma opinião. A responsabilidade de elaborar argumentos e posições após rever dados e fatos é grande.



A instantaneidade das notícias não pressupõe a deglutição do chiclete, por isso valorizo a reflexão sobre algum acontecimento alheio a qualquer tentativa precipitada de supor antes de estar seguro.



O cenário haitiano foi a vingança da natureza ao país equivocado. Desde um ponto de vista.



O conceito de justiça terrena está de um lado e o de cósmica, de outro. Certos eventos fogem do nosso entendimento.



As próximas vítimas poderão estar em qualquer lugar, já que a natureza como a entendemos perdeu o controle e não se sabe onde mais apontará o dedo.



Bruno Peron Loureiro é mestre em Estudos Latino-americanos

Assuntos estratégicos

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...