Relações Exteriores

Inteligência e Política Externa
09/05/2011
Política Internacional
09/05/2011

Integração

Dilma discute conjuntura com Hugo Chávez

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, realiza visita oficial ao Brasil nesta terça-feira, 10, quando se reúne pela primeira vez com a presidente Dilma Rousseff.

 

Os dois irão repassar a agenda bilateral e discutir temas regionais como o retorno de Honduras à Organização dos Estados Americanos (OEA).

 

De Brasília, Chávez segue para Quito no Equador e de lá para Havana, em Cuba.

 

Hugo Chávez pretende impulsionar as relações que há época do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, eram intensas entre os dois países.

 

Pragmática, Dilma Rousseff pretende cobrar o repasse de US$ 400 milhões da estatal venezuelana de petróleo, PDVSA, para as obras da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco.

 

De acordo com o governo brasileiro, apesar do projeto ser binacional, apenas a Petrobras investiu na obra.

 

A presidente brasileira quer analisar detalhadamente os acordos bilaterais pendentes e concentrar o foco da cooperação em temas de energia.

 

Em 2010, o volume de comércio entre Brasil e Venezuela chegou aos US$ 4,6 bilhões.

 

Conselho de Segurança

 

Dilma Rousseff e Hugo Chávez assinarão um Comunicado Conjunto em que reafirmarão a postura de ambos a favor de uma reforma do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

 

A Venezuela também vai confirmar o seu apoio ao ingresso do Brasil como membro permanente do organismo em representação à América Latina.

 

Para Dilma Rousseff, a pretensão brasileira “não é capricho”.

 

Na opinião da presidente brasileira, muitas organizações internacionais estão obsoletas e a ONU “envelheceu”.

 

Segundo ela, “reformar o Conselho de Segurança não é capricho do Brasil. [É uma iniciativa que] reflete a correlação de forças do século 21. Mais do que isso exige que as grandes decisões sejam tomadas por organismos representativos”.

 

O Brasil defende ampliar de 15 para 25 o número de países membros do Conselho, entre permanentes e não permanentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *