Defesa

Comunicado Conjunto Brasil – China
15/04/2010
Programa FX2
19/04/2010

Discurso do ministro da Defesa na entrega das aero

Discurso do ministro da Defesa na entrega das aeronaves MI-35

Nelson Jobim

O ministro da Defesa comparece a esta solenidade dividido entre a emoção, o orgulho e a honra na participação no processo de aquisição destes MI-35H. Coroamos, agora, longa, penosa e vitoriosa negociação.

É relevante momento histórico para a FAB.

Estes equipamentos robustecem a aviação de asas rotativas. Dá à Força importante ganho doutrinário operacional tecnológico, referidos pelo brigadeiro Saito.

Estes helicópteros constituem importante negociação na linha determinada pela Estratégia Nacional de Defesa de 2008. São 12 MI-35 no valor de US$ 363,9 milhões.

Mas não é mera compra.

Incluem o mesmo valor da compra – US$ 363,9 milhões – como compensação comercial. Ou seja, são investimentos russos no Brasil.

Além da primeira plataforma de helicópteros de combate, teremos no Brasil:

– Oficinas de manutenção para, por exemplo, plataforma, rotores, motores, caixa de engrenagem, estrutura. Tais oficinas prestarão serviços para a América Latina (Peru, Venezuela, Colômbia, por exemplo) e, também, para o continente africano. Estarão disponíveis ao setor privado nacional.

Absorveremos, ainda, tecnologia em simuladores de vôo. Além do mais, o intercâmbio em certificação e homologação de aeronaves. Os nossos pilotos, engenheiros e mecânicos já estão e continuarão treinamento de últimas técnicas de empregos.

Este é o Brasil não comprador líquido. É uma quebra de paradigma. Somos internalizadores de tecnologia, conhecimento e treinamento para o desenvolvimento nacional.

Mas temos mais.

Refiro-me ao Projeto FX-2. O procedimento do FX-2 iniciou em 1995. São 15 anos. O Brasil tinha, então, o propósito específico de aquisição de aeronaves de caça. Tal propósito foi reorientado em razão da Estratégia Nacional de Defesa (END).

A partir da END foram rejeitadas soluções que envolvessem tão somente a compra de aeronaves. Passou-se a priorizar a contratação de um pacote tecnológico de capacitação da indústria nacional, para a produção da aeronave desejada e desenvolvimento da próxima geração.

O brigadeiro Saito é testemunha do esforço do governo para que o Projeto FX-2 “reorientado” se concretize a tempo.

O processo é longo. Provoca ansiedade.

No entanto, estamos muito próximos da decisão final, decisão final essa que o presidente da República deseja tomar nos próximos 30 dias.

Observo que o brigadeiro Saito mencionou que os equipamentos do “AH-2 Sabre” permitirão o cumprimento de missões de superioridade aérea e de interdição com muito mais eficiência.

Eles garantirão a inviolabilidade do espaço aéreo da região amazônica.

Não venha ninguém dizer como o Brasil deve tratar a Amazônia. Nós protegeremos a Amazônia para nós e para o mundo, e que o mundo saiba disso.

Encerro e cumprimento a todos.

O ministério da Defesa tem consciência que o “Sabre” será, rapidamente, integrado às rotinas do Esquadrão Poti.

Tudo isso não é para nós; não é para a nossa geração; não é para os atuais pilotos da Força Aérea, do Exército, da Marinha. Tudo isso é pelo Brasil, para o Brasil. Muito Obrigado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *