Programa FX2
27/08/2008
CNI defende investimentos privados no pré-sal
28/08/2008

DF quer atrair investimentos da Coréia do Sul

Distrito Federal quer atrair investimentos da Coréia do Sul

O presidente da Federação das Indústrias de Brasília (Fibra), Antônio Rocha, afirmou que a entidade trabalha para atrair investimentos estrangeiros para o Parque Tecnológico Capital Digital, desenvolvido em parceria com o GDF e o meio acadêmico. O projeto prevê a captação de R$ 1 bilhão.

De acordo com a Fibra, os coreanos têm interesses nos setores de petróleo, gás e energia e o Parque Tecnológico é um dos projetos que poderão receber recursos de investidores da Coréia do Sul.

O assunto foi tratado nesta quarta-feira, 27, durante reunião do presidente da Ganong International, Yoon Moon-Deok com empresários brasilienses na sede da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo, do Governo do Distrito Federal.

Moon-Deok afirmou ter se surpreendido com a capital federal. Segundo ele, a imagem do Distrito Federal no exterior é de um centro de decisões políticas do Brasil.

“Nunca imaginei que Brasília tivesse indústrias, empresários. Com a apresentação feita pelo GDF foi possível enxergar outra cidade. Um exemplo a ser seguido. As informações que recebi serão repassadas na Coréia e na China”, assegurou.

Antônio Rocha explicou que a participação de conglomerados sul-coreanos no Parque Tecnológico é uma meta que vinha sendo buscada pelo Grupo de Trabalho que trata do projeto.

“Essa é uma excelente oportunidade para os investidores. Nos últimos meses participamos de missões empresariais com o presidente Lula com o objetivo de atrair investidores para as parcerias que se abrem na capital federal. São oportunidades que estão surgindo neste excelente momento pelo qual passa o Distrito Federal. E posso assegurar que o governo local dará todo o apoio necessário para que possamos alcançar tais objetivos”, afirmou Rocha.

Ele acredita que além dos investimentos privados, os coreanos poderiam participar da instalação de fábricas de semicondutores e produtos destinados ao mercado de televisão digital.

Rocha também está otimista com a evolução das exportações. Segundo ele, a indústria do Distrito Federal saiu de um patamar de US$ 27,2 milhões em 2002 para US$ 94,3 milhões nos sete primeiros meses deste ano.

Em setembro uma comitiva do Distrito Federal, composta por lideranças empresariais, visitará Seul para dar continuidade aos entendimentos sobre os projetos.

“Hoje, olhamos o Brasil como um país possível de receber investimentos. Isso se deve em parte ao sucesso que indústrias sul-coreanas tiveram aqui, como a Samsung e LG. Ficamos bastante interessados com as possibilidades do Distrito Federal. Vamos estudar e decidir rapidamente”, afirmou Moon-Deok.

Petróleo, gás e energia

O grupo de Yoon Moon-Deok pode investir também nos setores de petróleo, gás e energia. Segundo o investidor, a CDS Ganong desenvolve equipamento de produção de energia e aquecimento com base na reciclagem do lixo.

Moon-Deok explicou que a indústria desenvolve térmicas que estão em experiência na Coréia do Sul, China, Japão, Tailândia e México.

Outro projeto que poderá ganhar a parceria dos sul-coreanos é a construção do gasoduto até Brasília. O ministério de Minas e Energia informou que até 2011 o Brasil terá gás sem limitação e o GDF quer essa associação com a CEB Gás.

O projeto do gasoduto deve receber investimentos da ordem de US$ 2,2 bilhões. Além disso, o Distrito Federal quer atrair uma fábrica para insumos ligados ao mercado de gás natural, como tubulações, tambores e containeres. O gás alimentaria o mercado industrial e automobilístico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *