Brasília, 17 de novembro de 2018 - 14h19

Grécia - França

26 de junho de 2012
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

Marcos Magalhães



Os mercados reagiram aliviados aos resultados das eleições realizadas na Grécia em 17 de junho.



A apertada vitória do partido de direita Nova Democracia - 29,5% dos votos contra 27,1% para o partido de esquerda Syriza - foi interpretada como um passo importante para a manutenção do país na zona do euro.



Mas as urnas da Grécia e da França, onde se realizaram eleições legislativas no mesmo dia, trazem outro motivo para alívio: os dois países conseguiram neutralizar, pelo menos por enquanto, o avanço dos extremos no campo político.



Até recentemente, os observadores internacionais costumavam acompanhar as eleições na Europa com atenção aos movimentos pendulares da esquerda e da direita. Nas décadas que se seguiram ao fim da II Guerra Mundial, alternaram-se vitórias importantes tanto para a esquerda como para a direita.



No primeiro caso, uma das mais importantes foi a de François Mitterand nas eleições presidenciais francesas em 1981. No segundo, a mais recente guinada à direita do Reino Unido, com a vitória de David Cameron em 2010, depois de 13 anos de governos trabalhistas.



A crise econômica internacional acrescentou um novo ingrediente às disputas políticas nacionais. Como mostrou repetidamente a imprensa mundial nos últimos meses, a crise derrubou governos em série do Velho Continente, ora trazendo de volta os conservadores - como na Espanha e em Portugal - ora privilegiando a esquerda moderada, como nas recentes eleições francesas, que levaram o Partido Socialista de volta ao poder, com François Hollande.



O momento, porém, é o de ajustar o foco político. Existe hoje na Europa algo mais do que a velha alternância no poder entre os partidos considerados de centro-direita e centro-esquerda.



A crise econômica, o aumento do desemprego, a falta de perspectiva para os jovens e os cortes nos programas sociais que tiveram importante papel na estabilidade política do continente nas últimas décadas têm motivado um ressurgimento da extrema esquerda e da extrema direita.



Marine Le Pen, representante da Frente Nacional, de extrema direita, obteve 17,9% dos votos no primeiro turno das eleições presidenciais da França, em abril. Ela conquistou 6,4 milhões de votos, quase um milhão a mais do que seu pai, Jean-Marie Le Pen, em 2002.



A mensagem de Marine, contra o euro e a favor do protecionismo, conquistou a simpatia de muitos franceses desencantados com os rumos do país. Em 17 de junho, ela perdeu por pouco uma vaga na Assembleia Nacional, no segundo turno das eleições legislativas.



A luta contra o euro também foi o carro chefe da campanha da esquerda radical na Grécia. Com um discurso de resistência às medidas de austeridade impostas pela União Europeia, a esquerda radical Syriza obteve 27,1% dos votos - apenas 2,4 pontos percentuais abaixo da Nova Democracia. Os moderados socialistas do Pasok ficaram em um modesto terceiro lugar nas eleições, com 12,3% dos votos.



A extrema direita também avançou na Grécia. O partido neonazista Amanhecer Dourado conquistou 7% dos votos, obtendo o direito a ocupar 18 cadeiras na Assembleia grega. Cerca de 430 mil gregos foram às urnas para dizer que estão de acordo com os neonazistas na luta contra o que chamam de imigrantes ilegais.



Os números das eleições certamente têm relação com os números - pouco otimistas - da economia. Mas os avanços da extrema esquerda e da extrema direita na França e na Grécia, dois países com enorme destaque na história da civilização ocidental, merecem uma atenção especial.



Não é só a economia do Velho Continente que precisa se reinventar. Os partidos políticos tradicionais aparentemente também precisam renovar as mensagens que apresentam aos eleitores.



Marcos Magalhães, jornalista e mestre em Relações Internacionais pela Universidade de Southampton (Inglaterra), é editor do serviço internacional da Agência Senado (http://www12.senado.gov.br/internacional). E-mail: marcom@senado.gov.br.

Assuntos estratégicos

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...
Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...