Programa Espacial
24/06/2005
Política Externa
25/06/2005

Venezuela

Educação como fator para o povo ascender ao poder

Entre os dias 13 e 17 de junho celebrou-se em Brasília, a II Reunião do Foro Hemisférico Educacional da Cúpula das Américas, com a participação do México, Estados Unidos, Canadá, Colômbia, Chile, Argentina, Uruguai, Panamá, Venezuela e Brasil, além da UNESCO e a OEA. O foco principal dos debates girou em torno da qualidade da educação.

A Venezuela participou com a amostra de sua recente experiência em matéria educativa, centrada na redefinição dos indicadores de qualidade e excelência educativa. O vice-ministro de Assuntos Educativos daquele país, professor Armando Rojas, explicou como funciona o sistema educativo venezuelano. Acompanhe a entrevista.

Que avanços foram obtidos durante os quatro dias e o que se pode esperar em termos de melhoria da qualidade da educação nestes países?

Nesta oportunidade se avançou com os estudos que definiriam o conceito de qualidade da educação, embora gerados sobre mecanismos e métodos de medição que abordam a visão da qualidade a partir de um conceito muito marcado pela transposição da concepção econômica sobre a educação, e da visão da investigação sobre a base das relações que geram, a não ser a visão fragmentada, indicadores que têm a ver com fatores tirados de acordo a um determinado interesse e não sobre as relações fundamentais de desenvolvimento integral.

Na opinião do senhor, que é um especialista no tema, a que se deve esta visão?

Deve-se a que normalmente os estudos se centraram em avaliar os lucros de qualidade de ensino a partir da aprendizagem quase exclusiva de matemática e língua.

Esses são os estudos que se fizeram. É certo que a relação e estudo desses componentes levou a conhecer quais eram os países que estavam melhor em termos da aprendizagem de matemática e língua, mas isto deriva em uma espécie de rating, do Top Ten, em uma espécie de relação de competência para ver qual está melhor posicionado, e na realidade não se abordam respostas que permitam avançar sobre soluções aos múltiplos problemas de qualidade do ensino que enfrentam os países latino-americanos.

Neste caso, como a Venezuela está situada frente a este resultado?

Na Venezuela, o critério de qualidade da educação está exposto em termos da resposta à necessidade social, como bem assinala o presidente Hugo Chávez.

A necessidade social é a que demarca todas as políticas de Estado e políticas de governo, com o objetivo de oferecer a educação, os passos fundamentais que permitam avançar em benefício do povo.

Este critério de qualidade tem um princípio fundamental, que é o conhecimento como poder do povo, pelo qual está visto em termos do acesso e a democratização do conhecimento e na realidade na qual todos possam acessar a esse conhecimento como uma fonte de poder essencial do povo.

Isso leva a uma visão totalmente diferente das concepções que anteriormente dirigíamos. Por isso é que a Venezuela, dado o próprio processo que estamos tendo, foi ficando fora das discussões tradicionais de qualidade do ensino.

O que o senhor encontrou de essencial nesta reunião? É possível pensar-se num avanço na discussão dos termos sobre a qualidade da educação, frente às necessidades reais que enfrenta a América Latina?

Nesta II Reunião voltou-se a questionar e debater sobre os indicadores que medem a qualidade do ensino e como está concebida essa medição, e isto vem há dois anos, com os questionamentos que já se fizeram na UNESCO.

O Laboratório de Qualidade da Educação, que pertence a UNESCO, vem implementando políticas a partir da colocação central de educação para todos, que tem a ver com a relação da qualidade a partir de componentes que permitam impulsionar a educação em termos do lucro de resultados efetivos para a sociedade.

E o maior lucro ao que se deve aspirar é o da erradicação da exclusão, quer dizer, a mudança da estrutura educativa excludente que se impôs em toda a América Latina.

Entretanto, a UNESCO segue trabalhando com os chamados indicadores tradicionais, ainda quando lhe incorporam uma visão nova. Eles falam de fatores associados para definir aqueles indicadores que se supõe, estão exibindo uma visão fragmentária. Nós não dizemos que são problemas de associação, mas deve ser uma visão integral, uma visão de um tudo.

Frente a este debate obtemos a consideração fundamental de que nesses indicadores associados apareçam os elementos conceituais que estamos expondo.

Entretanto, o cronograma que estava sendo exposto continua inalterado, porque o Laboratório vinha trabalhando há dois anos com a criação de todos estes instrumentos.

Quais são esses elementos conceituais que expõe a Venezuela em matéria de qualidade da educação?

No processo de transformação que estamos levando adiante no país, a educação começou a conceber-se de maneira diferente, começou a conceber-se como um contínuo humano, e já não em termos fragmentados como estava antes.

Este processo começa por criar a resposta aos sistemas excludentes. Então ataca o sistema de exclusão mediante um mecanismo novo e isso nos leva a uma visão totalmente diferente da estrutura educativa, à concepção de sistema, que por certo compartilhamos com o representante do ministério de Educação do Brasil.

Essa identificação com o Brasil, e também com a Argentina em matéria de qualidade de educação, fez possível que introduzíssemos no debate, elementos conceituais que têm a ver com indicadores que até agora não eram considerados: solidariedade, reciprocidade, efetividade e eficiência em termos do trabalho coletivo, inclusive com menos custos, mas com um grande esforço de desenvolvimento.

O senhor poderia explicar um pouco esse conceito de contínuo humano na área educativa?

O pedestal da coluna fundamental deste sistema está na Constituição da República Bolivariana da Venezuela. A partir de 1999, mediante o texto constitucional, cria-se na Venezuela uma visão nova, que torna obrigatória a educação a partir do maternal.

Antes disso, a educação era considerada somente no início do primeiro grau, o que quer dizer que até então a criança não era considerada suscetível de ser educada formalmente, quer dizer não era considerada como um ser em função do direito à educação.

A obrigatoriedade do maternal é um conceito muito humano e estabelece o princípio da educação contínuo, porque a educação é obrigatória do maternal até o pré-universitário, e o maternal é a idade na qual a mãe é a que tem todas as bases fundamentais para poder gerar educação até o pré-universitário.

Essa concepção rompe com aquelas estruturas da escola básica primeira etapa, escola básica segunda etapa, e terceira etapa, que eram fragmentos que foram criando exclusão.

As cifras são eloqüentes. Neste velho sistema, de cada 100 crianças que entravam no primeiro grau, 91 chegavam ao terceiro. Destes ao sexto chegavam 58, ao nono 38, ao quinto ano 19 e entravam na universidade cinco.

Estas são cifras de 1990, que indicam que o sistema estava criado para a exclusão, quer dizer, quando o menino ou a menina nascia, já tinha uma esperança de vida escolar limitada.

Isto fazia que somente pudessem entrar na universidade cinco de cada cem, ou que chegassem ao quinto ano, 19 de cada cem. Essa é a estrutura que necessariamente terá que vencer, com o sistema de educação como contínuo humano, que é o sistema de educação bolivariano.

Qual foi o papel da OEA nesta II Reunião?

Com a OEA foi dado outro nível de discussão a partir deste espaço de debate para a qualidade educativa nos povos latino-americanos, onde apresenta a discussão de indicadores, mas aparece a possibilidade certa de participação em uma visão política, enquanto a outra é fundamentalmente técnica.

Por isso a conclusão é que todos os organismos que estão participando dos problemas de qualidade estão separados. O P

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *