Brasília, 11 de agosto de 2020 - 01h05
Egito anuncia que importará derivados de frango do Brasil

Egito anuncia que importará derivados de frango do Brasil

28 de julho de 2020 - 18:20:31
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília – O Egito anunciou que importará derivados de frango do Brasil como nuggets, carne de frango enlatada, salsichas e mortadelas, entre outros. Também foi permitida a compra do blanquet, feito a partir da carne de peru. Uma das razões teria sido a alta nos preços da carne bovina no mercado internacional. Com isso, o Brasil alcançou a marca de 85 mercados externos abertos para produtos agropecuários desde janeiro de 2019.

“Com a demanda alta da China por carne bovina, o preço subiu bastante, 19,2% de janeiro a maio deste ano sobre o mesmo período do ano passado, e aí outras proteínas mais baratas estão tendo uma demanda maior”, explicou o adido agrícola da Embaixada do Brasil no Cairo, Cesar Simas Teles. Ele lembra que as exportações de frango como um todo do Brasil ao Egito cresceram 27% em volume no acumulado de janeiro a junho deste ano sobre iguais meses de 2019.

Teles afirma, ainda, que, além dessa questão de mercado, houve todo um trabalho do Brasil para a abertura desse nicho. A liberação se deu com a conclusão da negociação de um novo certificado sanitário internacional para a exportação de carne de frango brasileira ao Egito. Os frangos inteiros e em cortes já tinham o certificado para entrar no Egito, mas com a emissão do novo documento, os requisitos para a exportação desses dois itens foram atualizados e foram incluídos novos produtos, como os processados.

Segundo ele, “o Brasil já exporta tradicionalmente o frango inteiro para o Egito, só que existe uma política do Ministério da Agricultura de tentar diversificar a pauta de exportação do Brasil”. Ele revelou também que há pedidos do Egito de 1.500 toneladas de carne enlatada do Brasil. O setor de carne bovina do Brasil tem mercado similar em corned-beef, que do começo do ano até junho teve vendas de 1.390 toneladas ao Egito. “Com o frango, a gente começa com pedido de 1.500 toneladas”, afirma.

Além da emissão do certificado, para receber os produtos importados o governo egípcio emite licenças de importação, o que os derivados de frango também vão precisar. Para essas 1.500 toneladas iniciais já houve a emissão da licença. O adido agrícola acredita que, como o Egito tem indústrias na área avícola, o Egito tentará balancear esse mercado com as importações e o fornecimento doméstico.

De janeiro a junho de 2020, as exportações do agronegócio brasileiro somaram US$ 52 bilhões, o que representa um aumento de 10 % com relação ao mesmo período no ano passado.