Brasília, 18 de novembro de 2018 - 21h53

Comércio Exterior

01 de novembro de 2016
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

Brasília - O professor de Harvard e especialista em temas econômicos, Robert Lawrence, afirmou em evento realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), que a Aliança do Pacífico, bloco integrado por Chile, Colômbia, México e Peru, é a melhor opção para o Brasil em comparação com o MERCOSUL.



Em sua palestra no Fórum de Comércio Exterior, realizado na terça-feira, 25, Lawrence que é professor de comércio internacional e investimento da Universidade de Harvard, explicou que a a união aduaneira mantém o país amarrado, mesmo com as mudanças recentes na posição da Argentina, menos hostil ao comércio exterior. Segundo ele, “quando há vizinhos difíceis é muito complicado ter uma união”.



“Mas é importante que vocês tenham claro que é preciso fazer uma escolha. Se o Brasil optar pelas forças do mercado, os acordos comerciais fazem sentido. Se optar pela intervenção do estado e protecionismo, não tem porque falarmos em acordos de livre comércio”, afirmou.



Na opinião do professor, “o MERCOSUL não funciona para o Brasil. É uma união aduaneira que mantém as mãos do Brasil atadas. Se o país tem vizinhos difíceis, é muito dificil ter uma união aduaneira. A Argentina está mudando e eu acredito que será o melhor. Mas se eu fosse o Brasil, eu estaria buscando a Aliança do Pacífico, pelo menos para ver o que eles estão fazendo e se é possível se juntar a eles. Infelizmente a América Latina está dividida geopoliticamente em Atlântico e Pacífico. Precisamos de uma América única. O Brasil me parece global, o que é bom, mas precisa ter relações regionais mais fortes”, explicou.



Ele destacou ainda que o Brasil não precisa escolher se quer negociar com a União Europeia ou com a América Latina e lembrou que o acordo entre o Canadá e os europeus quase não saiu, por causa da Bélgica. “E as negociações de vocês estão bem atrasadas, mas o Brasil tem o potencial de aumentar suas exportações para a Europa, especialmente em agricultura. Então, o Brasil deve negociar em várias frentes, mas a política na região tem que ser a de se estar conectado”, defendeu.



Com relação aos Estados Unidos, Lawrence foi taxativo: “Não é um bom momento para se negociar com os Estados Unidos. Nós fizemos diversos acordos de livre comércio nos anos de 1990 e 2000, acabamos de fechar a Parceria Transpacífico e não estou certo de que poderemos negociar com o Brasil agora. O que vai acontecer pós-eleição é difícil de dizer. Se você observar o Donald Trump, ele faz a negociação de acordos parecer uma competição. E não é. Se impusermos barreiras aos produtos estrangeiros, vamos encarecer os nosso insumos, o que é nocivo para o comércio em geral e incluiria o comércio com o Brasil. A Hillary Clinton tem uma inclinação pela economia global, mas o partido democrata é contra o livre comércio. Não sabemos o que vai acontecer nem com a Parceria Transpacífico, que deve ser renegociada. E esse período de negociação vai passar por um momento de extrema incerteza”, concluiu.


Assuntos estratégicos

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...
Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...