Defesa

Rei busca contrato para o trem de alta-velocidade
05/06/2012
Brasil investe na construção civil no Líbano
05/06/2012

Forças Armadas

Esquerda discute Política de Defesa e Projeto Nacional de Desenvolvimento

Brasília – A Política de Defesa e o Projeto Nacional de Desenvolvimento foram os temas do seminário realizado nesta segunda-feira, 4 pelas fundações João Mangabeira (PSB), Perseu Abramo (PT), Maurício Grabois (PCdoB), e Leonel Brizola – Alberto Pasqualini (PDT). O ministro da Defesa, Celso Amorim, falou sobre a política brasileira de Defesa e as tendências do cenário internacional. Marco Antonio Raupp, titular da Ciência, Tecnologia e Inovação, discorreu sobre o projeto aeroespacial do país.

Para os partidos de esquerda, a Defesa deve ser vista como uma janela de oportunidades para o desenvolvimento do país. Foi a primeira vez que um evento organizado pelos partidos de esquerda discute a importância e o papel das Forças Armadas para o país e o seu desenvolvimento econômico.

Para o ministro Celso Amorim, as causas do desenvolvimento econômico e do progresso social avançam na esteira da prevalência da cooperação entre os Estados.

Segundo ele, o panorama global de segurança apresenta uma clara tendência de redistribuição do poder mundial. E a maior contribuição que o Brasil pode dar à construção dessa multipolaridade, na área da defesa, é “seguir trabalhando para a construção dos mais altos níveis de confiança e de cooperação na América do Sul.”

O ministro defendeu a cooperação regional sul-americana, além de uma maior interação com países africanos, como contraponto a um cenário internacional marcado por conflitos, desconfianças e anúncios de intervenção militar, ainda que sob pretexto humanitário.

Ao fazer reflexões sobre a situação do Oriente Médio, em especial nos casos da Síria e do Irã, o ministro da Defesa disse que situações críticas, como essas, não se esgotam em sua dinâmica regional, mas têm “repercussão sistêmica”.

América do Sul

O ministro da Defesa classificou como notável o atual momento de prosperidade vivido na América do Sul e destacou o papel da Unasul na integração comercial, econômica e também no incremento da segurança regional com a criação do Conselho de Defesa Sul-Americano (CDS).

“O Conselho incorporou ao quadro da integração o temário da cooperação em defesa, balizado pelos princípios da transparência e da confiança”, afirmou.

Celso Amorim defendeu ainda a criação de uma Base Industrial de Defesa Sul-Americana – estimulada pela compra e venda de material de defesa entre os países e pela complementação de cadeias industriais. Na sua avaliação, esse mecanismo contribuirá para a reorganização da indústria de material de defesa brasileira.

Atlântico Sul

O ministro da Defesa afirmou que a cooperação em defesa também deve ocorrer em outras frentes do entorno estratégico brasileiro, como o Atlântico Sul com o aprofundamento da cooperação com os países africanos.

Segundo Amorim, a África tem enorme importância estratégica para o Brasil, inclusive por motivos geográficos.

“Costuma-se esquecer que a distância do Recife ou de Natal até Dacar é menor que a dessas cidades a Porto Velho ou Rio Branco, ou que nossa Zona Econômica Exclusiva no Atlântico não está a grande distância daquela de Cabo Verde”, explicou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *