Defesa

Farc anuncia que não renunciará à luta armada
11/10/2010
O Brasil e os ventos do mundo
11/10/2010

Estados Unidos insiste em acordo militar com a Col

Estados Unidos insiste em acordo militar com a Colômbia

O governo dos Estados Unidos vai insistir em levar adiante o acordo militar com a Colômbia, paralisado por conta de uma decisão da Corte Constitucional daquele país.

De acordo com o Subsecretário de Defesa norte-americano, Frank Mora, a administração Obama segue interessada no tratado justamente por conta das Farc que se encontram fragilizadas, mas não derrotadas.

Mora esteve em Bogotá neste final de semana para discutir o aprofundamento das relações entre os dois países no campo militar.

Segundo ele, a morte de Mono Jojoy é significativa, mas as Farc ainda estão em condições de organizar atentados terroristas e para derrotá-las definitivamente, os dois países precisam avançar no acordo que prevê o uso de sete bases colombianas por militares norte-americanos.

Frank Mora afirmou ainda que o Equador não enfrentou um golpe de Estado e que os Estados Unidos não estiveram por trás do levante militar, como sugeriu o presidente boliviano Evo Morales.

Na sua opinião, os militares latino-americanos não têm as mesmas motivações dos anos 60 e o que deve realmente preocupar a região é o armamentismo venezuelano.

O subsecretário norte-americano mostrou-se preocupado ainda com a denúncia de que membros da organização terrorista ETA tenham sido treinados na Venezuela, mas descartou a possibilidade de uma intervenção militar como as que o país realizou na Somália e Yemen.

“Aqueles eram casos de estados falidos e esse não é o caso de nenhum país sul-americano. Sobre o ETA, não tenho dados que comprovem a cumplicidade do governo venezuelano, mas não nos surpreende que estejam ali ou em outros países”, destacou.

Sobre o armamentismo venezuelano, Frank Mora, reiterou que a preocupação recai sobre a falta de transparência.

“Isso nós vimos no Brasil, Chile e Colômbia, mas não na Venezuela. Dizem que é para se defender dos Estados Unidos, mas não demos nenhuma indicação de que pretendemos atacá-los”, explicou Mora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *