Defesa

Programa FX-2
04/03/2014
Orçamento Defesa
04/03/2014

Exército e Saab fecham contrato para sistema de mí

Exército e Saab fecham contrato para sistema de mísseis terra-ar

Brasília – A Saab, fabricante sueca do caça Gripen NG, escolhido pela Força Aérea Brasileira (FAB) para a defesa aérea nacional, acaba de anunciar a assinatura de um contrato de R$ 30 milhões com o Exército brasileiro para o fornecimento do sistema de defesa de curto alcance conhecido como RBS 70.

A empresa não revelou a quantidade de lançadores encomendados, mas as entregas começam neste ano. Devem chegar lançadores portáteis, mísseis e equipamentos associados.

De acordo com a Saab, os mísseis adquiridos pelo Brasil são do tipo Mk II, e a encomenda inclui simuladores, equipamentos de visão noturna, um set para testes, ferramentas de manutenção, sobressalentes, equipamentos associados, além de treinamento para os operadores e equipes de manutenção.

Em nota, a empresa sueca afirmou que os sistemas, entre outros, visam à proteção da infraestrutura estratégica brasileira, e que serão empregados na proteção de grandes eventos já programados como o Mundial de Futebol que começa em 12 de junho e as Olimpíadas do Rio de Janeiro de 2016.

Ainda segundo a empresa, o RBS 70 já é utilizado por 19 países dos cinco continentes, num total de 1.600 sistemas e 17 mil mísseis.

“O sistema possui capacidades únicas, confiabilidade e baixo custo do ciclo de vida, o que é bastante apreciado por operadores em ambientes bem diferentes. A família RBS 70 inclui o aprimorado RBS 70 NG, cujo sistema de mira (adequado tanto aos mísseis existentes quanto de nova geração do sistema) permite o emprego tanto como MANPADS (carregado por um soldado) quanto remotamente controlado, seja num veículo terrestre ou navio”, diz a nota da Saab.

O míssil RBS 70 é guiado por meio de laser, o que o torna imune a contramedidas, jameamento e fontes de calor.

Guarani

O Exército confirmou que receberá ainda neste semestre um primeiro lote de blindados 6X6 Guarani, fabricados pela Iveco, mas desenvolvidos pelo Brasil. O 33º Batalhão de Infantaria Motorizada pertencente à 15ª Brigada de Infantaria receberá em abril 13 unidades do Guarani denominados oficialmente de Viatura Blindada de Transporte de Pessoal, Média sobre Rodas (VBTP-MR).

De acordo com o Exército, os primeiros blindados fazem parte de um lote de 86 encomendados em 2012 pelo seu Departamento de Ciência e Tecnologia ao custo de R$ 286 milhões.

Panther

Já o Comando da Aviação do Exército receberá ainda em março o primeiro de 34 helicópteros Panther, versão K2, modernizados pela Helibras em Itajubá (MG). O contrato de US$ 155 milhões foi assinado em 2009. A segunda unidade será entregue em julho.

Agora, o Exército deverá assinar o contrato que trata da nova configuração modernizada da aeronave. A revitalização dos 34 Panthers abriu novas oportunidades de negócios para a Helibras, revelam seus executivos.

A empresa espera modernizar as aeronaves Cougar e Super Puma que operam desde a década de 1980, incluindo aquelas que são utilizadas no setor petroleiro. Com a modernização, estas aeronaves de tamanho médio poderão operar até 2035.

A atualização tecnológica da versão K2 do Panther, no momento o principal vetor armado do Exército, levou à adoção de motores Arriel 2C2CG, com FADEC, 40% mais potente e com maior TBO que permite uma melhor manutenção, alcance e velocidade.

Os pilotos dispõem agora de telas digitais e a possibilidade de utilizarem capacetes com óculos de visão noturna. Também foi integrada uma proteção térmica e um piloto automático de quatro eixos. A vida útil desses aparelhos vai até 2039.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *