Defesa

Navio Polar Almirante Maximiano na Antártica
16/10/2009
I Encontro Sul-Americano de Estudos Estratégicos
16/10/2009

Programa FX2

F-18: proposta é problemática

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou nesta quinta-feira, que o contrato para a aquisição de 36 aviões de combate para a Força Aérea Brasileira (FAB), deverá ser assinado até dezembro.

Ele voltou a criticar os Estados Unidos que estão na disputa com o F-18 Super Hornet. Segundo Jobim, a proposta norte-americana é problemática por conta dos antecedentes, principalmente o veto à venda do Super Tucano para a Venezuela em 2006.

Quanto ao Gripen NG, da Suécia, o ministro explicou que se trata de um avião que não existe e que quando existir terá será com um motor fabricado nos Estados Unidos, o que inviabiliza a capacidade brasileira de produzi-lo para a América Latina.

Já a Dassault, fabricante do Rafale, o preferido do ministro e do presidente Lula, decidiu reduzir o preço do avião para confirmar o favoritismo.

Embora os valores não tenham sido revelados, a empresa pretende manter para o Brasil os preços pagos pela Força Aérea da França que opera 140 unidades.

Além disso, a Dassault quer ir além da transferência de tecnologia, desenvolvendo o produto no Brasil provavelmente em parceria com a Embraer.

Segundo a empresa, o Rafale também já foi testado em combate no Afeganistão. Dos três modelos, o Gripen é o único que não foi operado numa guerra.

Super Tucano

A Embraer bem que gostaria de ver a Boeing vencer a licitação da FAB. Isso poderia facilitar a sua vida na concorrência para a venda de 200 aviões para a Força Aérea dos Estados Unidos.

Mas, a eventual eliminação do F18 não significa necessariamente uma derrota para a Embraer.

A empresa poderá ser ajudada com um acordo militar que Brasil e Estados Unidos discutem e que poderá ser assinado logo que o Itamaraty concluir suas análises.

Com o acordo, a Embraer poderá ser beneficiada diretamente com a extinção da concorrência.

Nesta quinta-feira, a empresa fechou um contrato para o fornecimento de oito Super Tucano para a Força Aérea da Indonésia. Este será o terceiro contrato do ano para a venda do modelo.

Em 2009, já foram vendidos para o exterior, 40 aeronaves. No total, a Embraer vendeu 177 aviões. Foram entregues 75 para a FAB e 25 para a Força Aérea da Colômbia (FAC).

Chile (12), República Dominicana (8) e Equador (3) também adquiriram o Super Tucano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *