Brasília, 18 de novembro de 2018 - 21h53

Força Aérea

18 de dezembro de 2013
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

Marcelo Rech



O ministro da Defesa, Celso Amorim, e o Comandante da Aeronáutica, Juniti Saito, reuniram a imprensa na tarde desta quarta-feira, 19, para anunciar o que meio mundo já sabia: a escolha do caça sueco Gripen NG na licitação da Força Aérea Brasileira (FAB), após mais de 15 anos de sucessivos adiamentos.



A decisão surpreende. Ninguém apostava que a presidente Dilma Rousseff teria coragem de tomar uma decisão ao custo de US$ 7 bilhões às vésperas do ano eleitoral onde buscará a reeleição. O Planalto sabe que a decisão é arriscada.



A oposição que tem uma postura republicana quando o assunto é Defesa Nacional, vai chutar o pau da barraca e usar isso contra a presidente-candidata. Num país que importa médicos e cujas emergências mais lembram corredores da morte, gastar US$ 7 bilhões na compra de aviões de guerra é no mínimo temerário. Isso será explorado, não há dúvidas.



E o Gripen não era a opção desejada, pelo menos pela presidente. Ela queria muito fechar negócio com os Estados Unidos, comprar o F-18 e receber tratamento VIP de Washington, status de aliado preferencial, colocar as relações em outro patamar. Dadas as atuais condições criadas por conta da espionagem desenfreada e sem critérios, fechar um contrato com os Estados Unidos tornou-se politicamente impossível.



Nas conversas que teve com François Hollande na semana passada em Brasília, a presidente foi clara ao explicar que a França já está suficientemente contemplada com os contratos em execução dos submarinos convencional e nuclear e dos helicópteros. Ela não iria, portanto, confirmar o que Lula anunciou ao lado de Sarkozy e pelo qual Nelson Jobim tanto trabalhou.



Restou o Gripen fabricado pela Suécia, país que como o Brasil, busca reconhecimento internacional como ator confiável, capaz de contribuir com a solução de conflitos e o entendimento em áreas espinhosas como o Oriente Médio, por exemplo.



Não foi uma decisão comercial, mas política. Uma associação que faz todo o sentido se a intenção é dotar o país de uma tecnologia que ainda não dominamos. Com os Estados Unidos, essa possibilidade seria extremamente limitada. O conceito norte-americano de transferência de tecnologia é algo muito próprio, peculiar.



Feito o anúncio, teremos pela frente pelo menos um ano inteiro de negociações para que o contrato possa ser assinado. Antes disso, diga-se, não haverá desembolso algum. Se o governo for competente, neutraliza os ataques da oposição sem muito esforço.



Marcelo Rech é jornalista, especialista em Relações Internacionais, Estratégias e Políticas de Defesa, Terrorismo e Contrainsurgência, Direitos Humanos nos Conflitos Armados, e diretor do Instituto InfoRel de Relações Internacionais e Defesa. E-mail: inforel@inforel.org

Assuntos estratégicos

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...
Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...