Opinião

Honduras: presidente desiste de acordo com Zelaya
02/12/2010
Brasileiro é candidato à Secretaria-Geral da UNASU
07/12/2010

FX2: Lula deixa decisão para Dilma

FX2: Lula deixa decisão para Dilma

Marcelo Rech

No dia 23 de junho de 2010, o InfoRel publicou a nota “Defesa escolhe o Rafale e decisão final será do presidente”, em que afirmávamos: “O fato de o ministério da Defesa ter optado pelo Rafale não significa que o processo está concluído ou que será confirmado pelo presidente Lula. Há uma eleição no horizonte próximo e não seria nenhuma surpresa se a decisão ficasse para a próxima administração”.

Nesta segunda-feira, após sucessivos adiamentos, Lula entregou o jogo ao afirmar que a conta é demasiado alta para ser transferida à presidente eleita Dilma Rousseff.

Também em várias oportunidades, recordamos que Lula havia assumido em janeiro de 2003 e em abril, cancelado o programa FX iniciado na gestão de Fernando Henrique Cardoso.

A justificativa: precisava dos recursos para o Programa Fome Zero, o carro-chefe da campanha que o levou ao Planalto.

Retomou o projeto em seu segundo mandato, mas a exemplo do tucano, repassará o problema à próxima administração.

Dilma, por sua vez, deixou claro em seu discurso da vitória no domingo, 31 de outubro, que a prioridade seria a erradicação da pobreza.

Há pouco, seu ministro da Fazenda anunciou um aperto nos gastos. Todas as áreas sofrerão cortes de recursos, incluindo o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Apenas os programas sociais serão poupados.

Diante dos fatos, não há como crer que o FX literalmente decole.

Ainda que a compra dos caças possa se justificar do ponto de vista estratégico, o Brasil é um país com muitas outras prioridades. Somos um gigante em carências.

O cidadão comum não entende, por exemplo, por que os hospitais públicos são mantidos como chiqueiros enquanto o governo compra armas de guerra.

FX3

Ainda que a presidente decida manter Nelson Jobim no comando da defesa, tudo leva a crer que o Programa FX2 será cancelado.

Um novo programa deverá ser iniciado.

O FX3 será uma oportunidade para Dilma recompor as relações com os Estados Unidos, uma de suas prioridades em política externa, e de aprofundar a cooperação com outros países como França e Rússia.

A presidente carece de uma identidade externa forte. Com um projeto dessa dimensão, poderá sentar-se à mesa com outros líderes e fazer-se conhecida de verdade.

O FX2 foi marcado pela pouca transparência e por uma sucessão de equívocos que serviram, entre outras coisas, para fortalecer a imagem do Brasil como um país que não é sério.

Como Dilma não é Lula, não é grife.

Ela terá obrigatoriamente que ser séria para obter o respeito e a credibilidade, interna e externamente.

Marcelo Rech, 40, é jornalista, editor do InfoRel e especialista em Relações Internacionais, Estratégias e Políticas de Defesa e Terrorismo e Contra-insurgência. E-mail: inforel@inforel.org

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *