Brasil e China irão desenvolver pesquisas em nanot
23/02/2012
Em cinco anos, Brasil doa R$ 3 bilhões em cooperaç
24/02/2012

General quer conhecimento científico aliado ao con

General quer conhecimento científico aliado ao conhecimento tradicional da Amazônia

Brasília – O Comandante Militar da Amazônia, general Eduardo Dias Villas Boas, afirmou nesta quinta-feira, 23, que o Brasil precisa romper barreiras, aliando o conhecimento científico ao conhecimento tradicional da Amazônia, para desenvolver ainda mais o país. Ele falou na 21ª reunião do Grupo de Estudos Estratégicos Amazônicos (GEEA), do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA).

Eduardo Dias Villas Boas participou do debate sobre a Segurança Nacional na Amazônia e mesclando a experiência militar com o conhecimento sobre as realidades da região, destacou a importância da participação de todos os setores da sociedade na defesa da Amazônia.

Segundo ele, “é legítimo e necessário que a comunidade científica participe da defesa da Amazônia, assim como a área acadêmica, a área econômica e as empresas privadas. Para que dessa forma, fortaleça cada vez mais a estrutura de defesa”.

Para o militar, o Brasil conquistou uma grande projeção internacional nos últimos anos, mas ainda há muito para se fazer. “Já somos a sexta economia do mundo, e vamos avançar ainda mais. Mas em pleno século XXI, o Brasil não concluiu sua expansão interna, por isso metade da população brasileira, ainda não está integrada à dinâmica de desenvolvimento da sociedade brasileira”, explicou.

Na sua avaliação, a Amazônia tem três papeis fundamentais a cumprir: um em relação ao Brasil; outro em relação à América do Sul; e um terceiro em relação ao mundo.

“Em relação ao Brasil, a Amazônia abriga recursos naturais e tem muitos recursos econômicos para proporcionar ao nosso país. Em relação à América do Sul, é fato que a interação Sul-Americana, vai se dar em torno da Amazônia, que será a plataforma central. Em relação ao mundo, a Amazônia abriga respostas aos grandes problemas que afligem a humanidade, como a questão da água, das mudanças climáticas e da produção de energia renovável”, afirmou.

Grupo de Estudos Estratégicos Amazônicos

O grupo, idealizado pelo pesquisador e diretor do INPA, Adalberto Val, é formado por pesquisadores de instituições de ensino, órgãos governamentais e da sociedade civil organizada.

O GEEA surgiu em 2007 com o objetivo de debater os principais temas relacionados à Amazônia e disseminar esse conhecimento ao conjunto da população brasileira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *