Brasília, 11 de agosto de 2020 - 00h43
Governo e bancos privados terão ações voltadas para a Amazônia

Governo e bancos privados terão ações voltadas para a Amazônia

22 de julho de 2020 - 19:03:14
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília – Após se reunir com investidores estrangeiros, parlamentares, e diplomatas, o vice-presidente e presidente do Conselho Nacional da Amazônia Legal (CNAL), Hamilton Mourão, encontrou-se, nesta quarta-feira, 22, com os presidentes do Santander e Bradesco e com a vice-presidente executiva do Itaú, os três maiores bancos privados do Brasil, para discutir ações voltadas para a Amazônia.

Na oportunidade, foram discutidas a formulação de medidas com focos estratégicos de apoio à conservação ambiental e desenvolvimento da bioeconomia; investimento em infraestrutura sustentável; e contribuição para a garantia dos direitos básicos da população, a fim de apoiar projetos de investimento na área da Amazônia Legal.

De acordo com a vice-presidência, foram apresentadas as seguintes medidas:

 Atuar visando o desmatamento zero no setor de carnes, reforçando diligências internas, apoiando a transição e articulando empresas e associações para a criação de um compromisso setorial;

 Estimular as monoculturas sustentáveis (exemplos: cacau, açaí, castanha, óleo de palma) por meio de linhas de financiamento diferenciadas, entre outras ferramentas financeiras e não financeiras;

 Estimular o desenvolvimento de infraestrutura de transporte (exemplo: hidroviário) com metas ambientais, em troca de condições diferenciadas (exemplo: funding, exigências e parceiros);

 Viabilizar investimentos em infraestrutura básica para o desenvolvimento social, tais como: energia, internet, moradia, saneamento;

 Fomentar projetos que visem o desenvolvimento econômico e a conservação por meio de ativos e instrumentos financeiros de lastro verde, como por exemplo: pagamento por serviços ambientais (PSA), CBIOs e créditos de carbono;

 Incorporar os impactos das mudanças climáticas nas políticas de crédito e investimentos de longo prazo, além de dar transparência em nossos reportes;

 Ampliar o alcance de negócios que promovam a inclusão e orientação financeira na região;

 Articular e apoiar a implantação do sistema informatizado de registro de regularização fundiária;

 Articular a criação de um fundo para atores e lideranças locais que trabalhem em projetos de desenvolvimento socioeconômico na região;

 Atrair investimentos que promovam parcerias e o desenvolvimento de tecnologias que impulsionem a bioeconomia.

Participaram também do evento, os ministros da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e do Meio Ambiente, além do presidente do BNDES.