Defesa

Comunicado Conjunto Brasil – Jamaica
17/02/2014
Brasil e EUA aprofundam diálogo comercial
17/02/2014

Defesa

Gripen poderá ser adaptado para operar em porta-aviões

Brasília – O caça sueco Gripen, escolhido pelo governo brasileiro para integrar a Força Aérea Brasileira (FAB), poderá ser adaptado para operar em porta-aviões e alavancar o projeto Sea Gripen desenvolvido pela Saab, fabricante do avião.

De acordo com a Saab, o Sea Gripen é um projeto 100% sueco e anterior às versões E e NG do caça. Este Gripen estaria adaptado para operar desde porta-aviões STOBAR de decolagem curta. Para tanto, o modelo vendido ao Brasil teria de passar por algumas modificações para operar com catapultas.

A versão naval do caça vem sendo trabalhada pela Saab para atender não apenas a Marinha brasileira como a indiana também.

Este programa foi revelado em 2010 e supunha a navalização do avião sueco incluindo melhoras significativas e específicas em componentes como o trem de aterrisagem, freios maiores ou gancho de aterrisagem. A empresa defende que o avião original já inclua mecanismos que o aproximem de um avião naval como aterrisagem e manobrabilidade de precisão, estrutura robusta e o recobrimento anticorrosivo.

Ao que tudo indica a Saab já teria finalizado os estudos de viabilidade e estaria apenas aguardando um cliente lançador do avião.

Já a Matinha brasileira tem previsto adquirir dois porta-aviões por meio do Programa de Obtenção de Navios-Aérodromos (PRONAE) e que contemplariam um estaleiro internacional a ser construído no Brasil.

De acordo com a Marinha, seriam do tipo CATOBAR (Catapult Assisted Take Off, Barrier Arrested Recovery), ou seja, decolam mediante uma catapulta e aterrissam assistidos por uma barreira, constituindo-se num elemento fundamental para a proteção da costa brasileira e seus recursos energéticos.

Atualmente, o Brasil conta com apenas um porta-aviões, o São Paulo comprado da França em 2000 com cerca de 50 anos de uso. A desativação do São Paulo não estaria na agenda e a Marinha teria ainda um projeto que prevê 24 aviões para operar a partir dele.

Base de Anápolis

Na quarta-feira, 12, a Base Aérea de Anápolis (GO) recebeu a visita de uma delegação do ministério da Defesa da Suécia e de executivos da Saab, fabricante do Gripen, o caça eleito no âmbito do Programa FX-2.

A comitiva sueca foi liderada pelo major-general Jan Andersson, ex-Comandante da Força Aérea Sueca. Ele quis conhecer em detalhes a infraestrutura do Esquadrão que está baseado em Anápolis.

Os primeiros Gripen para a FAB serão destinados à Base em Goiás, inclusive alguns dos modelos usados que serão utilizados pelo Brasil até a chegada dos novos aviões.

Neste mesmo dia, a comitiva começou a detalhar o contrato de encomenda das 36 aeronaves para o Brasil em reuniões realizadas em Brasília.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *