Brasília, 16 de janeiro de 2019 - 17h32

Hezbollah: aliados das Farc

02 de maro de 2009
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

Marcelo Rech Com seu poderio militar fortemente abalado, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) estão em busca de novas formas de manter seu lucrativo comércio de drogas.

A ideologia deixou de ser importante.

As guerrilhas estão unindo forças com antigos paramilitares de direita colombianos, cartéis, grupos criminosos e até mesmo o Hezbollah, a milícia xiita com base no Líbano.

A ligação com o Hezbollah desperta uma maior preocupação devido às suas ramificações para outros países vizinhos na América Latina, inclusive o Brasil.

O Hezbollah e o seu estado financiador, o Irã, buscam aumentar sua influência no continente por meios legais e ilegais.

O governo iraniano investe milhões de dólares em uma ampla variedade de ações diplomáticas e comerciais que contam com a parceria de diversos governos da região.

Especialistas em segurança estão preocupados com o avanço do Irã na América Latina. Embaixadas foram abertas na Bolívia e Nicarágua e há planos para se montar estações de televisão nesses países, na Venezuela e no Equador.

Por trás dessa preocupação está o longo histórico iraniano de financiar e ajudar movimentos islâmicos que se confundem com organizações terroristas.

Com o apoio do Irã, o Hezbollah pode ampliar sua área de atuação para a América Latina usando empresas legítimas como plataforma e capitalizando com a nova política de portas abertas de países como a Venezuela.

Em outubro de 2008, autoridades colombianas em parceria com a Agência de Combate às Drogas dos Estados Unidos, desarticularam um grupo de lavagem de dinheiro e tráfico de drogas baseado na Colômbia que lavava centenas de milhões de dólares apor ano e conseguiu canalizar cerca de 12% de seus lucros justamente para o Hezbollah.

A investigação foi complexa e durou mais de dois anos, resultando na prisão de mais de 130 pessoas. As provas foram obtidas através da monitoração de 700 mil conversas telefônicas.

O líder do grupo foi identificado como Chekry Mahmud Harb, um libanês residente na Colômbia que usava o condinome “Talibã”.

Vários outros árabes também estavam envolvidos.

O tráfico e a lavagem de dinheiro do grupo se estendem por países como Venezuela, Panamá, Guatemala, Estados Unidos, Canadá, Líbano, Hong Kong, pela Europa e África.

Mesmo antes desse caso recente, o Hezbollah já possuía um passado de atividades abomináveis na América Latina.

O grupo é responsabilizado pelos atentados a alvos judeus na Argentina na decada de 1990.

Há três anos, o Hezbollah esteve envolvido em uma operação de tráfico internacional de cocaína em diversos países latino-americanos.

O governo dos Estados Unidos assegura que a organização tem há muito tempo uma base de operações na área da Tríplice Fronteira entre Brasil, Argentina e Paraguai.

A partir da região, o grupo realizaria operações que envolvem o contrabando de armas e outras atividades criminosas, bem como o levantamento de fundos e o recrutamento da diáspora libanesa.

A aliança que vincula o Hezbollah com as Farc possui muitas camadas. O papel das Farc era proteger as áreas rurais e as plantações que produziam a pasta de coca.

Os ex-paramilitares e membros do cartel de Medellín, de Pablo Escobar, protegiam as rotas de tráfico continentais.

O Hezbollah, com a sua longa história de tráfico internacional de heroína, entrou com a rede de distribuição internacional.
Harb e suas operações de lavagem de dinheiro “lavavam” os lucros, que depois eram divididos entre todos.

As Farc não podem se dar ao luxo de perder os lucros provenientes da rede do narcotráfico. A organização rebelde está sob constante pressão das autoridades colombianas.

Ela perdeu vários de seus principais líderes justamente há um ano. Além disso, sofre com as deserções em massa.

As frentes que permanecem estão cada vez mais voltadas para o narcotráfico.

Mas as Farc não controlam mais todo o processo do tráfico. O que antes era o principal cartel de cocaína do mundo, hoje é basicamente um fornecedor de pasta da droga.

Portanto, para ter lucros, as Farc precisam de parceiros que transportem a pasta de cocaína para os mercados.

Sendo assim, as Farc provavelmente tentarão estabelecer mais alianças com o Hezbollah e outros criminosos para recuperar sua parcela de lucros.

“Isso é apenas um exemplo de como o narcotráfico é interessante para todas as organizações criminosas, as Farc, os paramilitares e os terroristas”, afirma Gladys Sanchez, principal procurador do Ministério Público de Bogotá.

Esse também é um fato que interessa as autoridades policiais de todo o continente, que precisam encontrar formas de combater tais ameaças.

Marcelo Rech é jornalista, editor do InfoRel e especialista em Relações Internacionais e Estratégias e Políticas de Defesa. Correio eletrônico: inforel@inforel.org.