Relações Exteriores

Lula banca polêmicas em troca de assento no CSNU
10/05/2010
Peru ratifica o Tratado Constitutivo da Unasul
11/05/2010

Honduras mais distante da normalidade

Honduras mais distante da normalidade

O ex-presidente de Honduras, Manuel Zelaya, está em Quito, no Equador, onde discute com Rafael Correa, uma forma de retomar seus direitos políticos e poder retornar para Tegucigalpa sem o risco de ser preso.

Zelaya tem uma proposta de reconciliação nacional que inclui anistia às vítimas do golpe de junho de 2009 e processos judiciais para todos os que apoiaram sua derrubada.

A proposta será apresentada ainda nesta semana aos presidentes da Venezuela, Hugo Chávez, e da Argentina, Cristina Fernandez.

Ele pretendia comparecer à Cúpula América Latina e Caribe – União Européia que será realizada em Madri, entre 17 e 19 de maio, mas foi desestimulado a fazê-lo.

Para o presidente da Venezuela, a ausência de Porfírio Lobo na reunião já representa uma vitória para a Unasul.

Dez dos doze presidentes do bloco consideraram a eleição de Lobo resultado do golpe de Estado.

Manuel Zelaya quer que a Unasul respalde sua proposta e trabalhe para que ele possa deixar o exílio na República Dominicana.

Análise da Notícia

Marcelo Rech

Honduras está entre os países mais pobres do planeta.

Não tem importância geopolítica alguma para todos aqueles que condenam o golpe de Estado do ano passado.

Sobrevive no noticiário porque muitos dos atuais líderes políticos latino-americanos temem o mesmo fim de Zelaya.

A nova ofensiva do ex-presidente para retornar a Honduras esconde seus planos de retomar o poder.

Abrigado na embaixada brasileira em Tegucigalpa, Zelaya não deixou de articular e coordenar a resistência.

Sua volta pode reascender uma crise que de fato está longe de terminar.

Para variar, os organismos internacionais tiveram pouco ou nenhum papel na resolução do impasse hondurenho.

 

 

A Organização dos Estados Americanos (OEA) mostrou-se completamente incompetente para restabelecer o diálogo e a normalidade no país.

As Nações Unidos não foram além do protocolo e da formalidade.

Os Estados Unidos mantiveram seu tradicional jogo-duplo: condenaram o golpe, mas queriam Zelaya fora.

Sua aproximação com Hugo Chávez selou seu destino.

Enquanto isso, o presidente Porfírio Lobo tenta abrir uma brecha para que seu país volte à normalidade institucional, política e principalmente econômica.

Honduras está sem receber recursos externos desde meados do ano passado.

Linhas de financiamento foram congeladas e o dinheiro proveniente da cooperação internacional, deixou de ser depositado nas contas do Tesouro.

Ele teme pela asfixia.

A OEA pretende ver o país novamente entre seus integrantes a partir de junho quando realiza em Lima sua 40ª Assembleia Geral.

Não será uma tarefa fácil, principalmente por conta das denúncias de violações aos direitos humanos e dos assassinatos a jornalistas no país.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *