Defesa

Parceria Estratégica
26/04/2015
Orçamento das Forças Armadas
28/04/2015

Marinha

ICN recebe mais duas subseções do primeiro submarino do PROSUB

Brasília – A Itaguaí Construções Navais (ICN) recebeu este mês mais duas subseções do primeiro submarino de propulsão convencional (SBR1), a TR3 e TR4, oriundas da Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A (Nuclep). A chegada das mesmas marca a nova fase no processo do S-BR1, na qual elas serão unidas às outras três subseções (TR5, TR6 e TR7) que se encontram na Unidade de Fabricação de Estruturas Metálicas (UFEM) da empresa, informou a ICN.

Ainda de acordo com a ICN, com a unificação dessas estruturas será possível a instalação do escotilhão – peça do casco resistente que permite a retirada de grandes equipamentos durante os períodos de manutenção de maior complexidade.

O processo de construção e montagem das subseções TR3 e TR4, que ocorreu ao longo de 2014 e no início de 2015, fez parte do processo de transferência de tecnologia previsto no PROSUB.

Durante a montagem da TR4, especialmente a ICN acompanhada de profissionais franceses, conquistou a homologação que a habilita para a instalação de peças de penetração e de braçolas.

Para a montagem final, diversos profissionais da ICN e da Nuclep, entre eles caldeireiros, traçadores, soldadores, operadores técnicos, inspetores de qualidade e pintores, trabalharam para alcançar o objetivo.

“A chegada dessas subseções à UFEM/ICN possibilita iniciarmos o trabalho na parte interna das mesmas, sem contar que mostra o avanço de produção do primeiro submarino. Todas as demais subseções do S-BR1 deverão estar na UFEM no início do segundo semestre deste ano”, esclarece Luis Felipe Salomão, coordenador de produção da Unidade de Fabricação de Estruturas Resistentes (UFEM/ICN).

PROSUB

O Programa de Desenvolvimento de Submarinos da Marinha do Brasil (PROSUB), firmado no final de 2008 como parte do Acordo Estratégico Brasil-França, prevê a construção de quatro submarinos convencionais, um submarino de propulsão nuclear, um Estaleiro e uma Base Naval, em Itaguaí (RJ). O acordo prevê ainda que o submarino de propulsão nuclear seja totalmente desenvolvido no país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *