Brasília, 20 de novembro de 2019 - 08h27
Inaugurada a Delegacia Modelo de Investigação e Análise Financeira no Paraná

Inaugurada a Delegacia Modelo de Investigação e Análise Financeira no Paraná

04 de novembro de 2019 - 14:18:09
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília – Nesta sexta-feira, 1º, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, inaugurou em Curitiba, a Delegacia Modelo de Investigação e Análise Financeira, que irá operar a partir da Superintendência Regional da Polícia Federal. A nova estrutura, a primeira do país a integrar os trabalhos de perícia e investigação para o combate a crimes financeiros e de corrupção, se soma a outros projetos de segurança do governo federal implantados no Estado.

De acordo com o governador Ratinho Júnior, “a Polícia Federal colabora muito conosco no trabalho de combater a criminalidade, em especial o crime organizado. O Ministério da Justiça é outro importante parceiro do Paraná e tem nos dado um grande apoio, com programas importantes para reduzir os índices de violência”, afirmou.

Ele ressaltou que o Governo do Paraná tem feito um trabalho estratégico na área de segurança pública, com a integração das polícias Militar e Civil, que trabalham de forma conjunta, focadas no serviço de inteligência.

O ministro Sérgio Moro afirmou que o Paraná tem sido um grande parceiro do governo federal em projetos para a segurança pública, e que a instalação da delegacia modelo em Curitiba consolida o trabalho da Polícia Federal no Estado. “Não haveria lugar mais apropriado do que esse. Curitiba vivenciou desde 2014 a maior investigação da história do Brasil contra crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, com resultados extremamente substanciais”, lembrou.

Atualmente, o Paraná abriga dois programas importantes do Ministério da Justiça, operados em conjunto com a Secretaria de Estado da Segurança Pública. O Em Frente Brasil, cujo projeto-piloto da Região Sul é desenvolvido em São José dos Pinhais desde agosto, envolve a aplicação de efetivos de força de segurança pública federal, estadual e municipal para combater a criminalidade por meio de policiamento ostensivo e de atividades de inclusão social.

Em Curitiba, funciona o Centro Integrado de Inteligência de Segurança Pública da Região Sul (CIISP-Sul), que conta com bases e sistemas de dados de órgãos dos três estados do Sul. No local, são feitas a coleta, análise e disseminação de dados para tomada de decisão das secretarias estaduais, com a produção de conteúdo estratégico para as operações das forças de segurança.

Além disso, também está previsto para ser inaugurado em dezembro, em Foz do Iguaçu, o Fusion Center, um projeto-piloto para o monitoramento da fronteira, inspirado nos centros de monitoramento dos Estados Unidos. O local vai integrar o trabalho de órgãos como as polícias Federal e Rodoviária Federal, Agência Brasileira de Inteligência (ABIN), Ministério da Defesa e Receita Federal, entre outros.

Modelo

A delegacia modelo busca padronizar as ações de conhecimento técnico, tratamento de dados e rotinas básicas relacionadas a crimes financeiros e de corrupção. Segundo o governo do Paraná, o projeto foi idealizado para promover capacitações e treinamentos em casos reais, podendo trabalhar em conjunto com as demais unidades da Polícia Federal no Brasil. Ela funcionará no âmbito da Delegacia de Repressão a Corrupção e Crimes Financeiros da Superintendência Regional da PF.

O diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, explicou que o local será um espaço de aperfeiçoamento das investigações que envolvam crimes financeiros, como lavagem de dinheiro, fraudes e até questões relacionadas a criptomoedas. “Vamos unificar a prática e a teoria. Os policiais terão a oportunidade de aplicar o conhecimento adquirido nas capacitações nas investigações que tramitam nessa superintendência, buscando um padrão de excelências nessas investigações complexas”, explicou.

Na unidade, também será montado um laboratório para o desenvolvimento e emprego de novas tecnologias nas áreas de Big Data e Business Intelligence, que agilizam e dão mais qualidade às análises policiais nos casos complexos de repressão à corrupção, crimes financeiros e lavagem de dinheiro.