Brasília, 17 de outubro de 2018 - 12h20

Irã é o grande inimigo de Israel

05 de agosto de 2012
por: InfoRel

O governo de Israel não tem dúvidas: o grande inimigo é o Irã, mas há um dilema que este mesmo governo não consegue resolver: como parar o regime islâmico?



Em Israel sabe-se que o programa nuclear iraniano não será renunciado e que se trata de um dos poucos temas que une governo, oposição e religiosos xiitas.



De acordo com Raz Zimmt, doutor em História do Irã na Universidade de Tel Aviv e assessor do ministério da Defesa de Israel, "este programa é uma questão de orgulho nacional e não apenas um tema militar".



Na sua avaliação, o programa nuclear iraniano é irreversível.
Zimmt lembrou que foi o Ocidente quem ajudou o Irã a ter seu programa nuclear, mas que nessa época, os persas não tinham a intenção de "varrer Israel do mapa".



Para Raz Zimmt, o Irã trabalha para ter a bomba atômica, pois considera que um ataque dos Estados Unidos é questão de tempo e o Líder Supremo, Aiatolá Khamenei, quer ter as condições para responder.



A exemplo do que pensa o Ocidente, o especialista não está convencido de que o programa nuclear iraniano seja pacífico.



Segundo ele, "o Irã aprendeu com o Iraque. Eles sabem como os Estados Unidos tratam aqueles que não têm poder nuclear e os que o têm, como a Coréia do Norte. Renunciar ao programa nuclear seria uma forma de abrir precedentes para outros temas como direitos humanos e o reconhecimento de Israel".



Raz Zimmt considera quatro estratégias para frear as ambições nucleares do Irã: a negociação, que não avança; as sanções econômicas, que não produzem resultados rápidos; as operações seletivas com vírus que atingem a infraestrutura crítica do Irã e elimina cientistas vinculados aoprograma; e um ataque militar.



A sua preocupação é que essas medidas demoram a produzir efeitos e pode não haver tempo para uma reação adequada.



Ele também acredita que um ataque militar de Israel serviria, neste momento, apenas para atrasar o programa nuclear, ao mesmo tempo em que aumentaria o ímpeto iraniano por obter uma arma de destruição em massa.



Zimmt assegurou que Israel não quer esperar por uma decisão política, pois a cada dia o Irã melhora suas capacidades.



Ele acredita que Israel terá de conviver com o Irã nuclear e que o Estado Hebreu já lida com a liderança regional dos persas.

Assuntos estratégicos

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...