Brasília, 22 de fevereiro de 2019 - 04h30

Política

31 de agosto de 2016
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

Brasília - O ministério das Relações Exteriores reagiu às notas emitidas nesta quarta-feira, 31, pelos governos da Bolívia, Cuba, Equador e Venezuela, em relação à destituição de Dilma Rousseff do cargo de presidente da República.



Em duas notas, uma específica para a Venezuela, o Itamaraty “lamenta as manifestações de incompreensão dos Governos da Bolívia, do Equador e de Cuba sobre a conclusão do processo de impedimento da ex-Presidente da República. O processo foi conduzido em estrito respeito ao que estabelecem as leis e a Constituição brasileiras e constitui um exemplo que fortalece a democracia no país e na região”.



Na avaliação da diplomacia brasileira, “os Governos desses países reincidem em expressões equivocadas que ignoram os fundamentos de um Estado democrático de direito, como o que vige de maneira plena no Brasil. O Governo brasileiro conclama as autoridades desses países a manterem a serenidade e a respeitarem os princípios e valores que regem as relações entre as nações latino-americanas”.



O Brasil não tem a intenção de convocar seus embaixadores nestes países, mas o tom com a Venezuela foi mais duro.



“O Governo brasileiro repudia os termos do comunicado emitido pelo Governo venezuelano hoje, dia 31 de agosto, sobre a conclusão do processo de impedimento da ex-Presidente da República. Revela profundo desconhecimento da Constituição e das leis do Brasil e nega frontalmente os princípios e objetivos da integração latino-americana. À luz das circunstâncias, o Governo brasileiro decidiu chamar seu Embaixador em Caracas para consultas”, diz o comunicado do Itamaraty.