Brasília, 25 de maio de 2019 - 09h29

Defesa

05 de julho de 2011 - 17:53:23
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

O general Guy Thibault, do Canadá, assumiu no último dia 30, a presidência da Junta Interamericana de Defesa (JID), órgão de assessoramento da Organização dos Estados Americanos (OEA).



Ele ocupará o cargo que desde julho de 2009 pertencia ao brigadeiro José Roberto Machado e Silva (FAB).



O general brasileiro Juarez Aparecido de Paula Cunha será o Diretor-Geral.



A transmissão de cargo contou com a presença do Secretário-Geral da OEA, José Miguel Insulza.



De acordo com Insulza, “o trabalho realizado pelo brigadeiro Machado expressou plenamente o compromisso hemisférico da JID de trabalhar por um novo esquema institucional e fortalecer seus vínculos com a OEA, para enfrentar melhor os novos e tradicionais desafios que se apresentam à região”.



Para o Secretário-Geral da OEA, a JID é peça fundamental para que os preceitos contidos na Carta Democrática Interamericana sejam observados. Em setembro, ela completa dez anos.



José Miguel Insulza lembrou ainda da criação do Departamento de Defesa e Segurança Hemisférica da OEA que trabalhará em conjunto com a JID e o Colégio Interamericano de Defesa.



Guy Thibault anunciou que pretende promover reformas na Junta Interamericana de Defesa tornando-a mais próxima das demais instâncias da OEA. Ele quer ainda que a JID atue de forma mais direta com os demais atores hemisféricos de Defesa.



Thibault defende que a JID seja menos reativa e mais proativa, o que implica redefinir o seu papel e sua autonomia para que uma nova arquitetura interamericana de Defesa seja implementada.



Brasil



A representação do Brasil na Junta Interamericana de Defesa é chefiada pelo general Racine Bezerra Lima e Filho que foi comandante da 16ª Brigada de Infantaria de Selva, em Tefé (AM). Ele assumiu o posto em julho de 2010.



Segundo ele, “a JID é um ambiente favorável para a construção de relações de confiança mútua entre militares de toda a região e um exemplo de multilateralismo onde todos têm os mesmo peso”.



A Junta Interamericana de Defesa é composta por 27 países do hemisfério, mais China, Dinamarca, Espanha, França e Holanda, que atuam como países observadores.



“No sistema interamericano ninguém manda em ninguém. O princípio é somar esforços. Não há competição entre países”, destacou o general brasileiro.



Ele também descartou qualquer tipo de competição entre a Junta Interamericana de Defesa e o recém criado Conselho de Defesa Sul-Americano.