Opinião

Colômbia não crê em proposta de diálogo das Farc
06/08/2011
Amorim volta ao governo como ministro da Defesa
06/08/2011

Jobim: crônica de uma estratégia política

Jobim: crônica de uma estratégia política

Marcelo Rech

O ex-ministro da Defesa, Nelson Jobim, deixou o governo como queria: demitido por conta de divergências políticas. Ao contrário dos seus colegas que caíram abatidos por suspeitas de corrupção e/ou ineficiência.

Desde outubro de 2010, já se sabia que sua permanência no governo seria uma questão de tempo.

Alguns fatos:

1 – Jobim e Dilma Rousseff nunca se deram bem. Antipatia recíproca. Gênios fortes e personalidades difíceis.

2 – O ex-ministro nunca escondeu suas ambições políticas.

3 – Seu nome foi imposto por Luiz Inácio Lula da Silva que deixou o cargo, mas ronda o poder e trabalha prá voltar.

4 – Ao mantê-lo e aos comandantes das três forças, Dilma envia um recado claro ao meio militar: defesa não é prioridade (se fosse, escolheria a dedo cada um dos comandantes e seu ministro civil).

5 – Na esperança de que Jobim achasse melhor cair fora antes da posse, Dilma lhe ofereceu um ministério esvaziado. Ele aceitou, para surpresa dela.

6 – Seus ataques ao governo não resultam de desequilíbrio ou burrice. Nelson Jobim foi o mais inteligente de todos neste processo.

7 – Seus comentários a respeito das ex-colegas Ideli Salvati e Gleisi Hoffmann, não se comparam com os impropérios (impublicáveis) desferidos por deputados e senadores do PT (vários deles, ouvidos pela imprensa e “chocados” com o peemedebista).

8 – Nelson Jobim foi ministro de Fernando Henrique, Lula e Dilma. Será candidato à presidência da República em 2014 com o apoio da oposição.

9 – O Partido da República saiu do noticiário policial e devolverá ao ex-ministro, sua gratidão política.

10 – O que sustenta o PT no poder é sua política assistencialista. Jobim passou à opinião pública, a imagem do líder que fala grosso e chuta a porta (Lula se acovardou zilhões de vezes diante da petralhada e Dilma teme o próprio partido).

11 – Jobim pertence ao maior partido do país (a estrutura do PMDB suplanta a militância petista) e tem trânsito entre todos os demais partidos. Sabe fazer política, conhece os podres do governo petista e dá nó em pingo d’água quando o assunto é jurídico.

12 – Tem o apoio majoritário do meio militar e da indústria que soube cativar com rara habilidade.

Enquanto Dilma Rousseff governar com Lula fazendo sombra e impondo nomes, melhor para Jobim.

Marcelo Rech é jornalista, editor do InfoRel e especialista em Relações Internacionais, Estratégias e Políticas de Defesa e Terrorismo e Contra-insurgência. E-mail: inforel@inforel.org

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *