Defesa

Discurso do ministro Celso Amorim na XXVI Sessão P
18/10/2010
EUA cobra responsabilidade da Venezuela em temas n
20/10/2010

Base Industrial da Defesa

Jobim: investimentos em defesa beneficiam a indústria nacional

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, defendeu a retomada dos investimentos em defesa como forma de fortalecer a indústria nacional.

Na sua opinião, a indústria brasileira como um todo será beneficiada com a retomada dos investimentos no setor patrocinados pelo governo brasileiro.

Jobim participou da 2ª Oficina de Trabalho “Diagnóstico da Base Industrial da Defesa (BID)”, realizada em Brasília na última quinta-feira, 14.

Segundo ele, “a Estratégia Nacional de Defesa elegeu três setores fundamentais – o cibernético, o espacial e nuclear -, setores que são transversais para temas como agricultura, medicina e ciência e tecnologia”.

Para o ministro, os benefícios dos investimentos na área de defesa – especialmente no monitoramento marítimo, aéreo e terrestre –  fortalecem todo o sistema industrial do país.

Jobim destacou ainda que os recursos provenientes de fontes estatais são canalizados para pesquisas de longo prazo e que não necessitam apresentar garantias de aplicabilidade industrial, enquanto que o financiamento do setor privado dificilmente é aplicado em algo que não apresente certeza de aplicabilidade em um futuro próximo.

Por outro lado, ele explicou que não é possível pensar que a indústria de defesa sobreviverá apenas com as compras estatais.

Nelson Jobim acredita que o que garantirá o futuro da indústria de defesa é o incentivo à ciência e tecnologia, para que as pesquisas sirvam de base para fomentar uma indústria de defesa dual-militar e civil- que atenda ao mercado interno e à exportação.

Indústria

O ministério da Defesa informou que a oficina foi o primeiro passo para o mapeamento da indústria de defesa do país, trabalho que contará com a parceria da ABDI, com o apoio do Núcleo de Estudos Estratégicos da Universidade Federal Fluminense.

Com o mapeamento, a ser realizado nos próximos 18 meses, o governo e o setor privado terão pela primeira vez uma visão real e sistêmica da competitividade da Base Industrial de Defesa do Brasil.

Para tanto, serão aprofundadas as discussões acerca da situação atual da indústria de defesa, em seus aspectos geopolíticos, regulatórios, econômicos e de inovação para estimular o desenvolvimento e a competitividade das empresas deste complexo – conforme previsto na Estratégia Nacional de Defesa e na Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP) do Governo Federal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *