Defesa

Cooperação Militar
28/09/2016
Diplomacia
28/09/2016

Base Industrial

Jungmann assegura apoio à Indústria de Defesa na BID Brasil

Brasília – O ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou nesta terça-feira, 27, na abertura da 4ª Mostra Base Industrial de Defesa (BID-Brasil), que, mesmo com os ajustes econômicos que o país terá de enfrentar, não faltarão esforços de sua parte no sentido de criar mecanismos e oportunidades que assegurem o crescimento do setor.

Ao falar para um público composto por representantes das indústrias, das Forças Armadas, de forças de segurança como polícia militar e bombeiros, e de adidos militares e representantes de embaixadas, Jungmann citou o estudo de ações para aprimorar a "inteligência comercial" da indústria brasileira, tornando-a mais competitiva.

Além disso, ele destacou que foi criada dentro da Secretaria de Produtos de Defesa (SEPROD) uma área para cuidar especificamente da questão de financiamento e de garantias, considerada essencial para o setor. De acordo com o ministro, o tema vem sendo tratado no âmbito do governo com diversos órgãos, como Banco do Brasil e Secretaria do Tesouro Nacional.

Raul Jungmann defendeu ainda o aperfeiçoamento de leis que regulam a comercialização de produtos de defesa e ressaltou a importância de envolver toda a sociedade brasileira no debate sobre a revisão dos documentos balizadores da Defesa: Livro Branco, Estratégia Nacional de Defesa e Política Nacional de Defesa.

Segundo ele, "temos que ter um maior envolvimento da elite política do país e da sociedade como um todo com os assuntos de Defesa e não existe Defesa sem Base Industrial de Defesa", afirmou.

Para o presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Defesa (ABIMDE), Carlos Frederico Queiroz de Aguiar, a Mostra BID Brasil é uma como excelente oportunidade de trazer o tema para o centro das discussões do país, junto de adidos militares de outros países. Aguiar lembrou que os grandes eventos realizados no Brasil nos últimos anos como a Jornada Mundial da Juventude, Copa do Mundo 2014 e Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, exigiram da indústria brasileira de defesa e de sua capacidade interna de prover meios de Defesa.

Já o presidente da Agência Brasileira de Promoção das Exportações e Investimentos (APEX), embaixador Roberto Jaguaribe, destacou que o setor poderá continuar contando com os mais diversos mecanismos de apoio para enfrentar o momento econômico difícil. Na sua avaliação, é preciso buscar mecanismos inovadores sem deixar de investir na pesquisa, área fundamental para a indústria como um todo, mas, mais especificamente para a indústria de defesa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *