Relações Exteriores

Comércio Mundial
14/12/2005
Cooperação
15/12/2005

Colômbia

Lula condena terrorismo e oferece apoio

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva aproveitou a viagem à Colômbia para exaltar conquistas do seu governo, apesar dos resultados que o colocam em segundo lugar, atrás do prefeito de São Paulo, José Serra, já no primeiro turno, segundo pesquisa da Confederação Nacional da Indústria [CNI].

Segundo afirmou em Bogotá, nunca se criou tantos empregos no país como em sua gestão.

Na Colômbia, Lula intensificou o discurso em defesa da integração sul-americana, justamente ao lado do presidente colombiano Álvaro Uribe, o mais forte aliado dos Estados Unidos na região.

Antes de assinarem vários acordos de cooperação bilateral, inclusive no combate ao narcotráfico e à proteção das fronteiras comuns, Lula agradeceu ao governo colombiano pela compra de 25 aviões de combate Super Tucano da Embraer.

Em seu pronunciamento, Lula condenou o terrorismo e manifestou o apoio do governo brasileiro a Missão de Acompanhamento do Processo de Paz da Organização dos Estados Americanos [OEA].

Ele reiterou o interesse do Brasil em participar do processo de paz no país, com o diálogo entre governo e as guerrilhas de esquerda e direita que há mais de 40 anos travam uma guerra civil na Colômbia.

De acordo com Lula, “Colômbia e Brasil compartem valores e aspirações que nos aproximam. Queremos um mundo multipolar, livre das ameaças do terrorismo, que condenamos veementemente, e das desgraças da guerra. Solicitados pelo governo colombiano, estaremos dispostos a associar-nos as iniciativas orientadas a restaurar a convivência entre todos os colombianos.”

Lula afirmou que o Brasil vai estudar a melhor forma de colaborar com os esforços da Missão de Acompanhamento do Processo de Paz da OEA. No momento, essa cooperação vem do México, Peru e Chile, que apóiam com recursos humanos.

Segundo porta-vozes da Casa de Nariño, sede do governo colombiano, o presidente Álvaro Uribe recebeu com gratidão a preocupação de colega brasileiro em relação à política de segurança da Colômbia e a disposição de Lula em cooperar para que o país consiga firmar um acordo de paz com os diversos grupos guerrilheiros.

Na opinião do presidente brasileiro, “a sociedade colombiana tem sabido enfrentar de maneira equilibrada o desafio de fazer com que a democracia prevaleça sobre a intolerância e a violência irracional”.

Os governos da Colômbia e Brasil assinaram um Memorando de Entendimento entre as polícias para que haja uma maior colaboração e cooperação quanto à segurança na fronteira comum.

Lula explicou que o governo brasileiro tem procurado garantir que a fronteira comum não seja um santuário para ações ilícitas. “No nosso continente não cederemos espaço para o recurso gratuito da força ou para a ação impune das redes de criminosos”.

Brasil libera crédito de US$ 200 milhões para Colômbia

Durante a reunião de trabalho entre os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Álvaro Uribe, o Brasil acertou a concessão de um crédito de US$ 200 milhões à Colômbia, para financiar a construção de um projeto viário no sul do país, que permitirá o acesso ao Pacífico colombiano.

A carta de intenções deverá ser entregue ao governo brasileiro nos próximos meses e o prometo vai contemplar a rodovia San Miguel – Puerto Asís – Mocoa com interligação a San Francisco a estrada via Mocoa – Pasto, para se chegar ao Porto de Tumaco.

Uribe destacou ainda o conceito da hidrovia sul-americana como prometo multimodal, que vai permitir a comunicação entre os oceanos Atlântico e Pacífico, o que vai unir o território colombiano do oriente ao ocidente e de norte a sul.

Os US$ 200 milhões de crédito serão concedidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social [BNDES], em condições vantajosas para a Colômbia, conforme reconheceu o presidente Uribe.

Assim que o empréstimo for liberado, o governo colombiano abrirá a licitação para a escolha da empresa que se encarregará das obras. Não está descartada a participação de empresas brasileiras no projeto, a exemplo do que já ocorre na Venezuela.

Integração Energética

Lula e Uribe também revisaram outros temas de infra-estrutura, principalmente aqueles que permitirão um avanço da integração energética dos dois países. É o caso da hidrelétrica do rio Calderón que vai fornecer energia aos municípios de Letícia [Colômbia] e Tabatinga [AM].

A energia hídrica deverá substituir a energia térmica, que tem um custo considerado muito alto.

O ministério de Minas e Energia da Colômbia está concluindo os estudos correspondentes. Posteriormente, técnicos dos dois países deverão se reunir para fechar o prometo.

A Colômbia também manifestou interesse em conhecer a experiência brasileira no desenvolvimento e produção do biocombustível. “Para a Colômbia, o exemplo brasileiro é muito importante nessa matéria. Não apenas com relação ao álcool, mas também quanto ao biodiesel. O Brasil possui um projeto descomunalmente grande para produzir biodiesel, que pode oferecer desenvolvimento semelhante na Colômbia”, afirmou Álvaro Uribe.

Uribe recordou que o Brasil é um exemplo em matéria de biocombustível e lembrou que Lula pretende exportar toda a produção de petróleo até 2015, abastecendo o país apenas com sua produção de combustíveis biológicos.

Ele reconheceu que há pouco tempo, a integração entre Brasil e Colômbia não era vista no horizonte, mas com o tratado entre a Comunidade Andina de Nações e o Mercosul, essa integração tornou-se realidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *