Brasília, 23 de abril de 2019 - 18h46

Lula critica intervencionismo norte-americano

01 de novembro de 2008 - 15:12:00
por: InfoRel
Compartilhar notícia:
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva confirmou a presença do colega Raúl Castro na primeira Cúpula da América Latina e do Caribe sobre Integração e Desenvolvimento (CALC), que será realizada em Salvador, nos dias 16 e 17 de dezembro.

O Brasil será o primeiro destino no exterior desde que Raúl Castro assumiu no lugar de Fidel. No encontro de Salvador, está previsto o ingresso de Cuba no Grupo do Rio, com o apoio de Brasil, México e Venezuela.

“É a primeira vez que América Latina e Caribe vão se reunir sem a tutela de nenhum paà­s rico, ou seja, somos nós discutindo os nossos problemas e encontrando soluções para os nossos problemas”, destacou o presidente.

Lula esteve em Cuba pela terceira vez como presidente e comemorou a assinatura do acordo entre a Petrobrás e a Companhia Cubana de Petróleo. Antes de embarcar para Brasà­lia, Lula revelou que esperava por este acordo há seis anos.

Em 2000, a Petrobras não encontrou petróleo em Cuba e nenhuma pesquisa sobre a existência de reservas foi divulgada pela Petrobrás, mas a Cupet informou que poderiam chegar aos 20 milhões de barris diários. Se isso se confirmar, Cuba se tornará auto-suficiente.

Além do acordo para a exploração e produção de petróleo, o presidente também participou da inauguração do escritório da Agência de Promoção a Exportações e Investimentos (Apex), em Havana, o quinto do mundo e o primeiro da América Latina e Caribe.

Segundo ele, “é um espaço em que nós queremos trazer empresários brasileiros para conhecer Cuba, para que façam investimentos em Cuba, e queremos até produzir algumas coisas em Cuba que possam ser exportadas para o Brasil, para que haja um equilà­brio na balança comercial entre os dois paà­ses.”

O presidente Lula também teve um encontro reservado de 1h30 com Fidel Castro, com quem conversou sobre a crise financeira global e a América Latina.

“O Brasil trabalha fortemente com a idéia de que na hora em que houver o fim do bloqueio americano a Cuba, Cuba pode ter um potencial de desenvolvimento extraordinário”, afirmou Lula.

Ele aproveitou para mandar um recado ao futuro presidente dos Estados Unidos: “No nosso continente, ninguém está querendo mais chegar ao poder pela luta armada, as pessoas aprenderam a conquistar coisas disputando eleições. É só ver o que aconteceu na Bolà­via, ver o que aconteceu no Paraguai, o que aconteceu no Equador, o que aconteceu no Brasil, o que aconteceu na Argentina. Eu penso que eles têm que olhar a América Latina não como Terceiro Mundo, mas como um parceiro, para construir coisas juntos neste continente. Eu penso que os americanos terão que ter uma nova visão sobre a América Latina, não pode mais ser aquela visão intervencionista”, concluiu.