Mundo

Plano de Ação
28/01/2015
Relações bilaterais
28/01/2015

Memória

Lula trabalhou por empreiteira que superfaturava obra na Costa Rica

Marcelo Rech, especial de San José, Costa Rica.

Já na condição de ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva esteve em San José para tentar reverter a decisão do governo costa-riquenho de cancelar um contrato com a OAS para a construção de uma rodovia de 58 km entre a capital da Costa Rica e o município de San Ramón.

A OAS possui um escritório em San José e, segundo funcionários do governo costa-riquenho, tentou superfaturar os valores da obra – não revelados – de tal forma que pedágio algum seria capaz de viabilizar o negócio. A empresa ficaria com o direito de explorar comercialmente a rodovia.

Na condição de presidente, Lula sempre levou em suas viagens internacionais comitivas de empresários. A exportação de serviços de engenharia era uma das prioridades e permitiu que as principais construtoras brasileiras obtivessem contratos tanto na América Latina como em países da África.

Em 18 de julho do ano passado, Lula se reuniu com o presidente Luís Guillermo Solís, acompanhado do presidente do PT, Rui Falcão, em São Paulo. Segundo relatos de funcionários do governo costa-riquenho, o ex-presidente brasileiro tentou reverter a decisão da Costa Rica de cancelar o contrato com a OAS. Ainda de acordo com fontes do governo da Costa Rica, Lula teria ido ao país quando a decisão já estava tomada, para buscar uma solução diferente.

Em abril de 2013, o Ministério Público da Costa Rica decidiu investigar a concessão por 30 anos à OAS para explorar por meio de pedágios aquela que seria a mais importante rodovia do país. Os US$ 524 milhões que a empresa investiria nas obras seriam recuperados em cinco anos. Durante a vigência do contrato, embolsaria outros US$ 4 bilhões.

Outra investigação realizada pela Assembleia Nacional concluiu que houve o pagamento de propina e superfaturamento. A rodovia Bernardo Soto se transformaria na mais cara da América Latina. Cada quilômetro custaria o equivalente a US$ 9 milhões.

O cancelamento do contrato com a OAS foi anunciado em rede nacional pela então presidente Laura Chinchila. Em 2011, ela recebeu Lula na Casa Presidencial em San José.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *