Brasília, 18 de fevereiro de 2019 - 12h38

Diplomacia

03 de maio de 2005
por: InfoRel
Compartilhar notícia:
O assessor internacional do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Marco Aurélio Garcia, afirmou nesta terça-feira, que o Brasil nunca reivindicou o papel de là­der regional da América do Sul.

Ele garantiu que o Brasil quer a Argentina industrializada e forte. “O governo nunca reivindicou liderança, algo que não se busca. Para o Brasil, o êxito da integração está nas parcerias com os demais paà­ses”, afirmou.

Para o assessor da presidência, o que falta é uma maior coordenação entre os paà­ses sul-americanos. Com a eleição do chileno José Miguel Insulza para a Secretaria-Geral da OEA, o Brasil espera que a organização exerça o seu papel polà­tico na região.

Segundo Garcia, há setores que estão interessados em fragilizar as relações entre os dois paà­ses. Ele não disse que setores são esses. Embora a adoção de salvaguardas estejam sendo estudadas, Garcia acredita que o melhor caminho para a solução dos conflitos está na criação de linhas de financiamento para as empresas do Mercosul.

Essas linhas de financiamento poderão ser criadas no âmbito do BNDES e serviriam para induzir o crescimento da região. “A criação da Comunidade Sul-Americana de Nações pode fortalecer essa estratégia”, disse Garcia.

Ele voltou a sustentar a importância das relações do Brasil com a Argentina, tanto do ponto de vista bilateral como para a consolidação da Comunidade Sul-Americana de Nações. Para ele, alguns ruà­dos refletem apenas conhecidas dificuldades comerciais e econômicas entre os dois paà­ses.

Para Marco Aurélio Garcia, a criação da Comunidade Sul-Americana de Nações não vai pôr fim ao Mercosul que precisa avançar com maior institucionalização. Sobre os contenciosos comerciais, afirmou que não é só a Argentina que reclama.

“O que existem são problemas de percepção e o Brasil está se dando conta que a Argentina enxerga uma pretensão hegemonista do Brasil. Talvez não tenhamos sido suficientemente claros quanto as nossas posições”, concluiu.