Defesa

ONU reconhece o exemplo brasileiro na missão de pa
04/04/2013
Defesa
04/04/2013

Marinha realiza mapeamento da Amazônia

Marinha realiza mapeamento da Amazônia

Manaus – Com duas novas embarcações fluviais hidrográficas, a Marinha deu início ao processo de mapeamento náutico da bacia do rio Amazonas, uma região com cinco milhões de quilômetros quadrados. Militares afirmam que o mapeamento irá eliminar o vazio cartográfico existente nos estados do Amapá, Amazonas, Roraima, Acre, Pará, Maranhão e Mato Grosso, todos pertencentes à Amazônia Legal.

A Marinha irá produzir mapas na escala de 1:100.000, e atualizar os dados existentes em uma miríade de rios que abrange 59% do território brasileiro.

De acordo com o gerente regional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam), Carlos Alberto de Freitas, “esse é o segundo aviso dos quatro previstos pela Marinha. O projeto também inclui um navio hidroceanográfico fluvial”.

O primeiro aviso, Rio Tocantins, iniciou suas atividades em julho, e o segundo, Rio Xingu, navegou em 6 de fevereiro. Os outros dois – Rio Solimões e Rio Negro – serão entregues à Marinha ainda este mês. Todos os quatro foram custeados pelo Projeto da Cartografia da Amazônia, lançado em setembro de 2008.

O ministério da Defesa informou que o projeto envolve as três Forças Armadas e a Marinha é responsável pelas cartas náuticas, enquanto o Exército e a Força Aérea irão elaborar as cartas geológicas. O investimento total dos três projetos é de US$ 107 milhões (R$ 208 milhões), de acordo com o Censipam.

“Cada parceiro vai gerar os produtos cartográficos necessários, baseados no investimento do governo federal”, comentou Bruno da Gama Monteiro, diretor do Centro Regional de Manaus do Censipam – que cobre os estados do Amazonas e Roraima.

Segundo ele, “isso vai melhorar o planejamento de trabalhos na Amazônia, incluindo a construção de importantes rodovias e usinas hidrelétricas, porque o projeto vai apresentar mapas regionais em detalhes acurados.”

Os militares informaram que a Marinha não tinha os meios de manobrar e executar o monitoramento de segurança dos extensos rios e afluentes da Bacia Amazônica e que os navios de menor porte irão mapear o interior dos canais de navegação, utilizando sensores batimétricos que medem a profundidade do rio quando tocam o fundo. Essa iniciativa irá atualizar 74 cartas náuticas, das quais 18 já foram concluídas.

O projeto está sendo executado de acordo com a Estratégia Nacional de Defesa (END) e contribui para a melhor proteção e segurança da navegação, especialmente nas regiões de fronteira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *