Defesa

Brasil defende manutenção da UNASUL apesar de suspender atividades
28/08/2018
Brasil não descarta limitar ingresso de venezuelanos
29/08/2018

Marinha recebe Porta-Helicópteros Multipropósito Atlântico

Brasília – A Marinha do Brasil recebeu no último sábado, 25, o Porta-Helicópteros Multipropósito (PHM) Atlântico adquirido do Reino Unido por R$ 350 milhões. O navio tem capacidade para operar em seu convés de voo até 7 aeronaves simultaneamente, além de transportar até 12 aeronaves em seu hangar, podendo utilizar todos os tipos de helicópteros pertencentes à Marinha brasileira.

Além disso, tem capacidade para transportar até 800 militares como tropa e projetá-los por meio de movimento helitransportado, ou por meio de 4 lanchas de desembarque. Com mais de 200 metros de cumprimento e tripulação de 303 militares, o Atlântico será utilizado para o controle de áreas marítimas e projeção de poder sobre terra, pelo mar e ar.

A Marinha informou ainda que a embarcação dispõe de capacidade de suporte hospitalar e poderá ser empregada em missões de caráter humanitário, auxílio a vítimas de desastres naturais, de evacuação de pessoal e em operações de manutenção de paz, além de poder ser utilizado em missões estratégicas logísticas, transportando militares, munições e equipamentos.

De acordo com o ministro da Defesa, general Joaquim Silva e Luna, a chegada do navio garante a tranquilidade nesta parte do mundo, particularmente, no Atlântico, pois tem grande capacidade dissuasória, aumentando o poder de combate do país. Ele ressaltou ainda que, neste sentido, a Marinha vem desenvolvendo outros projetos, como o Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB).

Silva e Luna destacou também que a previsão, até o fim deste ano, é que o Brasil conte com um submarino convencional e entre cinco ou seis anos, um submarino com propulsão nuclear. Há previsão também da construção de reatores com finalidade múltipla, ou seja, do emprego militar à utilização na área de saúde.

O comandante da Marinha, almirante Eduardo Bacellar Leal Ferreira explicou que o navio será utilizado por muito tempo, pois foi reformado em 2012 e está em excelentes condições. Construído no Reino Unido e adquirido pelo Brasil em fevereiro, o navio passou por quatro meses de manutenção, antes de receber sua primeira tripulação brasileira.

Como integrante da Marinha britânica, o então HMS Ocean foi utilizado em diversas operações, servindo de apoio a ações humanitárias nas costas de Honduras e Nicarágua, atingidas pelo furacão Mitch, em 1998, e em ações humanitárias no Kosovo, em 1999.

Em 2000, o navio participou da Operação Palliser, em Serra Leoa. Em 2003, foi utilizado na Operação Telic, no Iraque, e em 2011, na Unified Protector, na Líbia. Já em 2012, prestou apoio aos Jogos Olímpicos de Londres. Por fim, em 2017, a embarcação foi utilizada em operações navais e ações humanitárias nas ilhas do Caribe, atingidas pelo furacão Irma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *