Defesa

Discurso do ministro Nelson Jobim, na apresentação
27/11/2007
Conferência de Annapolis – Discurso do Ministro Ce
27/11/2007

MD encerra viagem ao Calha Norte na fronteira da V

MD encerra viagem ao Calha Norte na fronteira da Venezuela

Entre os dias 19 e 23, uma comitiva do Ministério da Defesa percorreu as áreas da Amazônia cobertas pelo programa Calha Norte e encerrou a visita à fronteira do Brasil com a Venezuela, onde se localiza o 4º Pelotão Especial de Fronteira Surucucu (PEF), em Roraima (RR), formado por 60 homens.

Segundo o ministério da Defesa, o PEF Surucucu foi o primeiro posto de fronteira a ser construído, em 1985, com recursos do Programa Calha Norte. Na época, a finalidade do programa era exclusivamente para a criação de Pelotões na Amazônia.

A missão básica desses militares é realizar o patrulhamento da fronteira com helicópteros, quando chegam a passar até cinco dias na mata.

O MD também informou que o Pelotão Especial de Fronteira Surucucu também foi criado para dar apoio às comunidades indígenas que já habitavam na região.

Os militares médicos, dentistas e farmacêuticos do 4° PEF prestam atendimentos aos índios que se dividem em duas tribos: a maloca Belise e Xirimifique.

Apesar de viverem sem acesso a tecnologia e dominarem pouco o português, a maioria se comunica por meio do dialeto yanomami e o chefe da tribo solicitou ao General José Benedito de Barros Moreira, Secretário de Política, Estratégia e Assuntos Internacionais do Ministério da Defesa, que chefiou a comitiva, uma escola para as crianças das duas tribos.

Segundo Barros Moreira, “a integração do índio é algo natural. Vamos preservar a cultura do índio, não deixar que ela morra e respeitar a cultura, mas a integração é necessária. Até porque, principalmente na fronteira, se o índio não se sentir integrado à nossa sociedade ele pode, em dado momento, querer se integrar a outra sociedade”, afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *