Mundo

Colômbia
17/12/2014
Oriente Médio
26/12/2014

Economia

Mesmo com conflito armado, Colômbia cresce mais que o Brasil

Marcelo Rech, especial de Bogotá, Colômbia

Mesmo com um conflito armado que dura mais de 50 anos, a Colômbia cresceu 5% entre janeiro e setembro deste ano, enquanto que o Brasil registrou dados negativos.

Primeiro, o governo brasileiro jurou de pés juntos que a crise internacional passaria à margem da economia. Depois, que a grave situação econômica era resultado exatamente desta crise.

Pois bem, na Colômbia, país que sempre teve sua imagem associada ao narcotráfico e às guerrilhas das FARC e ELN, a crise internacional não afetou a economia. Ao menos suas autoridades não usam fatores externos para justificar problemas.

O crescimento no último trimestre ficou abaixo do esperado, mas registrou 4,2% quando o México cresceu 2,2%, o Chile deu uma estancada, e o Peru junto com o Brasil, registraram dados negativos entre julho e setembro.

Cauteloso, o ministro da Fazenda Maurício Cárdenas disse ao InfoRel que a meta para 2014 é fechar com um crescimento de 4,7% e projeta 4,5% para 2015. O setor da construção civil foi o motor da economia colombiana com um avanço de 12,7%.

“A Colômbia conseguiu conquistar a confiança interna e externa, com o estímulo ao consumo interno e aos investimentos externos. Isso faz com que as pessoas vejam o futuro com otimismo e nos leva a tomar decisões que mantém dinâmica a economia”, afirmou.

Processo de Paz

“O mundo inteiro está com uma grande expectativa sobre o processo de paz na Colômbia. O mundo se pergunta por que este conflito ainda não terminou quando todos os demais acabaram como na África do Sul ou Irlanda. Já chegou a hora de pôr fim ao conflito”, afirmou em entrevista Exclusiva realizada no Senado colombiano.

De acordo com Cárdenas, o presidente Juan Manuel Santos está empenhado em alcançar a paz que impactará no cotidiano das pessoas, em mais segurança para os colombianos e melhor qualidade de vida.

“Mas terá um enorme impacto também na economia. O conflito nos custou muito em termos de oportunidades. Passamos por uma fase de muita estigmatização, com nossa imagem associada ao conflito e às drogas, o que quase nos transformou num Estado falido”, explicou.

Para Maurício Cárdenas, o grande mérito da Colômbia foi sua capacidade de reagir ao quadro que se fortalecia. “Hoje, a Colômbia é um país exemplar no manejo de sua economia, nos seus indicadores econômicos, sociais, na atração aos investimentos estrangeiros”, revelou.

A Colômbia tem hoje, o maior investimento em relação ao PIB da América Latina, 30%. “Isso demonstra uma enorme confiança não apenas dos empresários colombianos, mas também dos investidores estrangeiros no processo em curso”, salientou.

Brasil

O ministro da Fazenda da Colômbia afirmou ainda que há muito espaço para aumentar as relações com o Brasil em matéria econômica. “Creio que Brasil e Colômbia devem aproveitar melhor as sinergias que se apresentam e ampliar a relação econômica que já é muito expressiva”, destacou.

Para Maurício Cárdenas, os dois países também devem compartilhar melhor suas visões sobre o processo econômico nos foros internacionais. Segundo ele, “os países emergentes terão mais força e serão melhor ouvidos se chegam unidos e com o mesmo discurso nas discussões políticas e econômicas internacionais”.

Sobre a Aliança do Pacífico (AP) vista por muitos analistas como um projeto contra o Brasil e sua liderança regional, Cárdenas foi contundente: “A AP não é um projeto excludente, mas um projeto para mercados abertos, com muita responsabilidade fiscal. E o primeiro passo deram os empresários, depois os governos. Temos que aproveitar as oportunidades que surgem e a aproximação com o Mercosul é bem-vinda, mas é preciso que outros blocos sejam mais abertos para que essa integração funcione plenamente”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *