Brasília, 17 de agosto de 2019 - 15h25
Ministro de Infraestrutura discute parcerias com Secretário de Comércio dos EUA

Ministro de Infraestrutura discute parcerias com Secretário de Comércio dos EUA

02 de agosto de 2019 - 12:34:35
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília - O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, recebeu, nesta quinta-feira, 1º, o secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross, no Brasil desde a última terça, 30), cumprindo agenda com autoridades e empresários brasileiros para estreitar as relações comerciais entre os dois países. Ross também participou de reuniões com o presidente Jair Bolsonaro, além do ministro da Economia, Paulo Guedes. Essa é a primeira visita de um secretário da pasta ao Brasil desde 2011.

Durante o encontro, o ministro Tarcísio apresentou a carteira dos principais projetos para investimentos privados em rodovias, ferrovias, portos e aeroportos. Ele destacou os investimentos futuros, como as 41 concessões de aeroportos previstas, os leilões, arrendamentos e desestatizações dos terminais portuários, as principais rodovias e os planos para as concessões do setor ferroviário, que tiveram início no dia 31 de julho com a assinatura do contrato da Ferrovia Norte-Sul, em Anápolis (GO).

“Temos grandes projetos de concessão de ativos em todas as áreas que serão transformadores para a nossa infraestrutura, logística e competitividade. Queremos contar com a experiência, a tecnologia e o financiamento americano e, por isso, estamos trabalhando para construir um ambiente de negócios atraente e seguro para os investidores estrangeiros”, afirmou o ministro. “Todo o nosso trabalho envolve um grande esforço de mitigação de riscos que possa atender às expectativas desses investidores”, completou.

O secretário americano elogiou o andamento dos projetos e afirmou ter um interesse especial pelo processo de concessão das ferrovias brasileiras, considerando uma possível negociação bilateral para investimentos no setor. Ele também reforçou a necessidade de aprimoramento de algumas iniciativas que poderiam acelerar os fluxos de investimentos e de recursos institucionais, como a criação de um sistema de gestão de projetos padronizados para o rastreamento adequado dos recursos. “Nosso objetivo é o mesmo: ter o melhor negócio possível, projetos duráveis e servir ao público”, destacou.

Wilbur Ross mencionou ainda o possível acordo sobre tarifas de importação que começa a ser negociado entre os Estados Unidos e os países do Mercosul e sugeriu que o Brasil assuma a liderança entre os países participantes para a construção de acordos de ética voluntários entre os governos das diferentes nações e empresas.

Já o ministro afirmou que o Brasil tem que assumir o protagonismo neste movimento internacional. Segundo Freitas, o país sofreu com o estigma da corrupção, o que fez com que aperfeiçoasse seus mecanismos de controle e de recuperação de ativos, credenciando o país para este papel de liderança. “Temos trabalhado para estreitar relações com os órgãos de controle para aumentar a clareza na destinação dos recursos e melhorar a operação dos serviços”, destacou.

Tarcísio reforçou ainda que o aumento da transparência na gestão e na aplicação dos recursos públicos e o combate à corrupção são as principais bandeiras do Governo Federal. “Eliminar entraves, desburocratizar procedimentos e facilitar a captação de recursos é uma meta do presidente Jair Bolsonaro. Estamos comprometidos com essa meta”, disse.