Destaque

Embaixador dos EUA destaca Economia Digital como fator de recuperação brasileira
02/11/2017
Brasil se associa à Agência Internacional de Energia
02/11/2017

Ministro discute acordo MERCOSUL – UE com delegação do Parlamento Europeu

Brasília – O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, recebeu nesta terça-feira, 31, uma delegação do Parlamento Europeu para as relações com o Brasil e com o MERCOSUL integrada por 14 eurodeputados. Durante o encontro, o ministro e os deputados de sete países trataram dos próximos passos para a conclusão do acordo de livre comércio entre a União Europeia e o MERCOSUL, que deve estar finalizado, no nível político, até dezembro. “Sabemos do significado geopolítico deste acordo para ambos os blocos. São 250 milhões de consumidores, a indústria brasileira está ciente que será um desafio e apoia a celebração do acordo”, assegurou Pereira.

Os deputados Fernando Ruas, presidente da delegação para as relações com o Brasil, e Francisco Assis, presidente da delegação para as relações com o MERCOSUL, destacaram que do lado europeu há grande interesse e empenho na conclusão do acordo. “A maior parte dos estados membros estão interessados”, garantiu Assis.

Entre os 14 parlamentares da delegação em visita ao Brasil a expectativa também é positiva, apesar das negociações dependerem de alinhamento em setores como o agrícola.

Antes, os parlamentares se reuniram com o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, para discutir o tema. Os parlamentares também defenderam a inclusão das pequenas e médias empresas no rol de debates, de forma a estimular o desenvolvimento regional, e também avanços na área de patentes e propriedade intelectual.

Para o deputado português Carlos Zorrinho, o acordo deve colocar o Brasil diante do desafio de entrar na indústria 4.0. “É por isso que estamos liderando uma discussão com o setor privado e as universidades sobre qual será a indústria do futuro”, acrescentou Marcos Pereira. “Queremos que o acordo seja o mais ambicioso possível”, afirmou.

A próxima rodada de negociações será em Brasília, entre os dias 6 e 10 de novembro. A última etapa ocorreu no início deste mês, quando as partes fizeram reuniões dos grupos de Acesso a Mercados, Regras de Origem, Barreiras Técnicas, Sanitárias e Fitossanitárias, Defesa Comercial, Solução de Controvérsias, Compras Governamentais, Serviços e Desenvolvimento Sustentável.

Acordo MERCOSUL – UE é tema de discussões entre membros da CREDN e eurodeputados

As negociações em torno do Acordo de Livre Comércio MERCOSUL – União Europeia foi tema de discussões entre membros da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN) da Câmara dos Deputados e integrantes do Parlamento Europeu nesta terça-feira, 31. Ambos os lados defenderam a assinatura do tratado ainda em 2017 apesar de alguns entraves quanto aos temas agrícolas.

Na avaliação da presidente da CREDN, Bruna Furlan (PSDB-SP), “a União Europeia e o MERCOSUL negociam desde 1999 e após anos de estagnação, retomaram o diálogo que tem avançado. É preciso que ambos os lados tomem a decisão política de concluir este processo e que o mesmo seja benéfico não apenas para os dois blocos, mas para o sistema multilateral como um todo”, afirmou.

Na próxima semana, negociadores das duas partes voltam a reunir-se em Brasília. Há a previsão de uma última rodada de negociações antes do final do ano em Bruxelas. “É normal que haja divergência em torno de um tratado complexo como este, mas não podemos permitir que as negociações sejam contaminadas por aspectos ideológicos”, assinalou a deputada. “O MERCOSUL quer avançar em uma agenda positiva que o fortaleça ainda mais como mecanismo de integração e a União Europeia olha para o mapa do mundo e enxerga em nós uma região com enorme potencial econômico, comercial e político”, explicou.

Segundo o eurodeputado português Fernando Ruas, “sou um entusiasta do acordo com o MERCOSUL. Faço votos que os obstáculos que ainda possam surgir sejam removidos naturalmente para o bem dos dois”. Ele preside o Grupo Parlamentar UE – Brasil. Já o presidente da delegação para as relações com o MERCOSUL, deputado Francisco Assis, reconheceu que é preciso superar a resistência de alguns países europeus, sobretudo em relação a produtos agrícolas. No entanto, afirmou que acredita em um consenso.

“De fato, há estados membros muito empenhados na concretização desse acordo e há outros com mais reserva, justamente por terem setores agrícolas criando algumas dificuldades. Mas estou convencido que no final todos os obstáculos serão removidos e que nós acabaremos por concretizar um acordo que é do melhor interesse para UE e para o MERCOSUL”, destacou.

Para Eduardo Barbosa (PSDB-MG), presidente do Grupo Parlamentar Brasil – UE, “um acordo como este terá impactos em muitas outras áreas. Não estará circunscrito apenas ao comércio. Por tanto, precisamos manter o diálogo de alto nível. Além disso, há um componente político que guarda relação com valores e políticas públicas que aproximam a União Europeia e o MERCOSUL e não podem ficar em segundo plano”, afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *