Defesa

Parlamento brasileiro quer discutir acordo com Par
26/08/2009
Programa FX2
03/09/2009

Submarino Nuclear

Ministro garante que modelo brasileiro não terá míssil

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou nesta quarta-feira, em audiência pública realizada pela Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional, da Câmara dos Deputados, que o submarino a ser incorporado pela Marinha não terá arma de ataque, mas apenas a propulsão nuclear.

Na tarde desta quarta-feira, o Planalto encaminhou ao Senado Federal, duas mensagens para a contratação de financiamentos externos.

Uma delas diz respeito aos submarinos e outra ao projeto de construção no Brasil, de 50 helicópteros Super Cougar, ambos em parceria com a França.

Jobim explicou ainda que a Alemanha não transferiu tecnologia para a construção dos cinco submarinos convecionais (Tikuna). De acordo com o ministro, o acordo firmado em 1983 não acrescentou conhecimento ao Brasil.

Um modelo Tikuna foi construído na Alemanha e os outros 4 no Brasil. “Nenhum técnico brasileiro participou do projeto que nos chegou pronto”, afirmou.

Submarinos

O ministro da Defesa explicou que os submarinos convencionais são movidos por propulsão diesel-elétrica com uma bateria que pesa algo em torno de 25o toneladas. Tem uma capacidade de imersão de 50m a 500m de profundidade e depende do ar atmosférico (a cada 12h precisa submergir, o que lhe confere baixa capacidade de ocultação).

A velocidade de um submarino convencional varia entre 4 e 6 nós (7,4 km/h a 11,2 km/h) e tem capacidade de deslocamento de 1.4o0 toneladas.

Enquanto isso, um modelo nuclear, movido por energia gerada por um reator com urânio 325 enriquecido em 20%, pode submergir a mais de mil metros de profundidade e por tempo indeterminado, limitado à resistência da tripulação.

Sua velocidade vai de 6 a 35 nós (algo como 11,2 km/h a 65,5 km/h. O deslocamento é de 6 mil toneladas.

Pelas águas brasileiras, decidiu-se adquirir os dois modelos – convencional e nuclear.

O projeto integral de aquisição e construção dos submarinos deve custar cerca de 6,9 bilhões de euros.

O governo brasileiro pretende assinar o contrato com a França em 7 de setembro contando com a presença no Brasil, do presidente Nicolás Sarkozy.

Para os deputados, trata-se de um fato consumado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *