Para imprimir é necessário habilitar o pop-up Enviar a notícia por e-mail
Aumenta a fonte 
Aumenta a fonte 
Relações Exteriores
Secretário-Geral da UNASUL deixa o cargo e não há definição do sucessor
02/02/2017 - 14h16

Brasília - O Secretário-Geral da União das Nações Sul-Americanas (UNASUL), Ernesto Samper Pizano, deixou o cargo nesta terça-feira, 31, em solenidade realizada em Mitad del Mundo, Equador. Enquanto ele fazia um apelo por mais integração e unidade, os países membros não chegaram a um consenso e a entidade ficará sem comando por tempo indeterminado.

Samper pediu que os países da UNASUL não busquem “a salvação fora da região” e atuem com “solidariedade coletiva” ante as medidas já anunciadas e por anunciar do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Ele permaneceu dois anos e meio à frente da UNASUL e reclamou mais coesão regional, principalmente em relação à proposta norte-americana de se construir um muro na fronteira com o México. Na sua avaliação, também são preocupantes as anunciadas barreiras aos produtos da região e os tributos que penalizarão as empresas dos Estados Unidos que investem na América Latina.

A Venezuela preside a UNASUL até abril. Representantes dos países membros do bloco acreditam que em 30 dias será possível apresentar um nome de consenso para o cargo de Secretário-Geral da entidade. A chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez, afirmou que há vários nomes que estão sendo submetidos aos países membros.

A ideia é que em março, os ministros de Relações Exteriores da UNASUL se reúnam para fechar essa questão evitando que a UNASUL fique acéfala.

Até lá, caberá ao boliviano Mauricio Dorfler, diretor de Assuntos Políticos e de Defesa, da UNASUL, relançar o diálogo entre governo e oposição na Venezuela.