Para imprimir é necessário habilitar o pop-up Enviar a notícia por e-mail
Aumenta a fonte 
Aumenta a fonte 
Relações Exteriores
Embaixador do Brasil em Assunção assume e chanceler prepara viagem
21/03/2017 - 15h03

Brasília - O novo Embaixador do Brasil no Paraguai, Carlos Alberto Simas Magalhães, assumiu o posto formalmente nesta sexta-feira, 17, após apresentar suas cartas credenciais ao presidente Horacio Cartes, e ao ministro das Relações Exteriores, Eladio Loizaga. Um dos primeiros desafios do diplomata será a preparação da viagem que o chanceler Aloysio Nunes Ferreira fará ao país no próximo dia 27.

Simas Magalhães destacou as boas relações entre os dois países e transmitiu as saudações do presidente Michel Temer e o seu desejo em visitar o Paraguai ainda em 2017, além de receber Horacio Cartes em Brasília para dar prosseguimento à agenda bilateral.

Na próxima segunda-feira, Nunes Ferreira aterriza em Assunção para tratar desta agenda e dos principais temas regionais, com foco na crise venezuelana e nas negociações entre o MERCOSUL e a União Europeia que iniciam neste 20 de março, mais uma rodada de discussões, em Buenos Aires.

Trata-se de uma reunião técnica para avançar nas negociações e concluir um Tratado de Livre Comércio até o final do ano. Argentina e Brasil presidirão o MERCOSUL neste ano e querem aproveitar a ocasião para tirar o acordo do papel.

Itaipu

O ministro brasileiro irá tratar ainda do Tratado de Itaipu. Recentemente, o Brasil indicou um novo diretor-geral para o lugar de Jorge Samek. Trata-se de Luiz Fernando Leone Vianna, indicado do governador do Paraná, Beto Richa, e ligado ao PSDB. Ele assume o cargo nesta terça-feira, 21, quando Samek deixará o cargo após 14 anos.

Com ele, mudam também todos os diretores de Itaipu. Luiz Fernando Leone Vianna, já afirmou que irá iniciar as negociações para um novo Tratado de Itaipu imediatamente. O atual vale até 2023. Uma das principais preocupações de Vianna diz respeito à energia recomprada peplo Brasil do Paraguai.

O excedente é comercializado apenas com o Brasil conforme diz o Tratado, mas o Paraguai pressiona para flexibilizá-lo e com isso, buscar outros mercados para a energia que lhe cabe, mas que não necessita. Isso poderia afetar o complexo industrial brasileiro.

Aloysio Nunes e Eladio Loizaga deverão tratar ainda de temas ligados ao narcotráfico, contrabando e o comércio bilateral. É previsto que o ministro das Relações Exteriores seja recebido pelo presidente Horacio Cartes.