Para imprimir é necessário habilitar o pop-up Enviar a notícia por e-mail
Aumenta a fonte 
Aumenta a fonte 
Mundo
Governo colombiano dá mais 20 dias para as FARC entregarem as armas
05/06/2017 - 12h25

Brasília - O governo colombiano anunciou nesta terça-feira, 30, que prorrogou por mais 20 dias o prazo para que as FARC entreguem as armas. Nesta semana, completou-se seis meses desde que o Congresso Nacional ratificou o pactado entre governo e guerrilha. A decisão do presidente Juan Manuel Santos foi anunciada depois de uma conversa dele com altos funcionários das Nações Unidas.

Segundo Santos, “esta mudança de data não afeta de modo algum a firme decisão e o claro compromisso do governo e das FARC para cumprir o acordo. O Mecanismo de Monitoramento e Verificação Internacional seguirá exercendo o seu papel até certificar-se que a última arma das FARC foi entregue e retirada do território nacional”, afirmou.

Ele anunciou ainda que o prazo para a desmobilização dos guerrilheiros foi estendida até 1º de agosto. “Este tempo adicional nos permitirá pôr em marcha devidamente o processo de reincorporação à vida civil e sem armas dos ex-membros das FARC. Serão 20 dias adicionais para o desarme e 60 para a reincoporação, o que não é nada para terminarmos bem os 53 anos de enfrentamento e violência”, explicou.

Nesta data também vence o prazo dado pelo Congresso colombiano para que o governo emita os decretos e leis no marco da implementação dos acordos de paz. Até o momento, mais de 30 instrumentos foram encaminhados ao legislativo e tratam de temas como o acesso à terra, unidade de busca de pessoas desaparecidas, programas de desenvolvimento com incentivos para que as empresas se encarreguem das obras necessárias para a comunidade, entre outros.

Santos destacou que os acordos de paz são irreversíveis. “Não vamos volta atrás, por nenhum motivo vamos voltar à épocas terríveis de violência, medo, assassinatos e massacres. A Colômbia está deixando para trás essa história de sangue e dor para sempre. A paz é o caminho para a reconciliação, para as oportunidades, para o desenvolvimento e para uma democracia mais sólida e profunda”, concluiu.