Reaparelhamento
18/12/2009
Um novo ano, as mesmas práticas
24/12/2009

O ingresso da Venezuela no Mercosul

O ingresso da Venezuela no Mercosul

Marcelo Rech

Em 2010, o Congresso do Paraguai terá a difícil e árdua tarefa de discutir e votar o ingresso ou não da Venezuela ao Mercosul.

Com a aprovação do Protocolo de Adesão do país pelo Senado brasileiro, resta aos paraguaios a última palavra.

No Brasil ninguém acredita que a Venezuela ficará fora do bloco.

Nem faria sentido.

O principal argumento utilizado pela oposição brasileira para negar à Venezuela sua integração ao Mercosul diz respeito ao que chamam de “instabilidade” do presidente Hugo Chávez.

A figura do líder se sobrepõe aos interesses nacionais. Em outras palavras, é mais ou menos isso.

No entanto, o próprio Mercosul possui seus mecanismos de solução de controvérsias.

Em sã consciência, ninguém por achar que o ingresso deste ou daquele país será isento de problemas. Os problemas são necessários.

Nenhum bloco econômico foi construído sem que as divergências fossem expostas.

Por outro lado, o isolamento de um ou outro país não é resposta para supostas ausências de direitos.

No Brasil  vivemos uma falsa democracia onde a Justiça é para alguns e onde as instituições funcionam, mas em sua esmagadora maioria de acordo com interesses muito particulares.

Não é a nossa classe (?) política a mais indicada para ensinar democracia para os outros.

O Mercosul não só deve como precisa ser impactado, provocado e criticado para sair do marasmo.

A sua conversão em algo substancialmente relevante passa por sua ampliação.

É claro que quanto mais gente, mais problemas, mas não devemos ter receio deles. Antes, coragem para suplantarmos diferenças e construirmos uma integração verdadeiramente sul-americana.

Não fosse assim, Brasil e Argentina jamais teriam superado suas discordâncias e desconfianças.

O mundo de hoje exige que o diálogo se sobreponha às imposições.

Não há mais lugar para alinhamentos automáticos.

O Mercosul deve trilhar um caminho que tenha o seu fortalecimento político e econômico como referenciais.

Quanto mais conversa, mais entendimento, menos intransigência.

A despeito de todas as inquietações, dúvidas e preocupações, é correta a decisão de acolher a Venezuela no Mercosul.

Sabemos bem a quem interessa uma América do Sul dividida, rachada e sob permanente tensão.

Marcelo Rech é jornalista com especialização em Relações Internacionais e editor do InfoRel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *