Brasília, 13 de novembro de 2018 - 01h42

O Irã e a `comunidade internacional´

02 de fevereiro de 2012
por: InfoRel
Compartilhar notícia:

Marcelo Rech



Em 19 de maio de 2010, o então ministro das Relações Exteriores do Brasil, embaixador Celso Amorim, falou sobre a Declaração de Teerã em palestra para a turma 2009-2010 do Instituto Rio Branco.



Segundo ele, a expressão "comunidade internacional" costuma ser empregada como coletivo para um pequeno grupo de países ocidentais, membros permanentes do Conselho de Segurança. "Quando os Estados Unidos, a França e o Reino Unido adotam uma posição comum, esta fica sendo a vontade da "comunidade internacional", afirmou.



Isso ilustra bem o processo de "demonização" do Irã em relação ao resto do mundo.



Como o próprio chanceler lembrou à época do acordo viabilizado por Brasil e Turquia, perdeu-se uma grande oportunidade com a Declaração de Teerã.



Isso se deu justamente porque a "comunidade internacional" não tem o menor interesse numa solução negociada.



Além disso, usam o Irã para fazer política interna. É o que ocorre neste momento nos Estados Unidos, por exemplo.



As sanções econômicas ilegítimas aprovadas à margem do Conselho de Segurança da ONU vitimam apenas a população iraniana.



Os países da "comunidade internacional" não reconhecem o direito do Irã em enriquecer urânio, embora o país seja signatário do Tratado de Não Proliferação (TNP).



Recorde-se que enriquecer urânio e ter um Programa Nuclear, não está proibido pelo TNP nem pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).



Agora, um inspetor da AIEA diz com todas as letras que o Irã está disposto a colaborar e que nos dias 21 e 22 de fevereiro, a agência retornará a Teerã.



No entanto, a "comunidade internacional" segue pressionando para que o Irã seja "contido".



Israel possui armas nucleares e não presta contas disso.



Há uma ética hipócrita nessa discussão.



Os países nucleares assumiram o compromisso pelo desarmamento, mas quando foi que se sentaram para tratar do assunto?



Quando o então chanceler Celso Amorim discutiu o assunto com a Secretária de Estado Hilary Clinton, comentou-lhe sobre a carta enviada por Barack Obama ao presidente Lula.



Clinton calou. Ela não sabia de carta nenhuma. Ficou claro que a Casa Branca pensava uma coisa e o Departamento de Estado, outra.



O pecado cometido por Brasil e Turquia foi lograr um acordo nos termos "exigidos" pelo presidente norte-americano quando a "comunidade internacional" já preparava as sanções.



Nos próximos dias, estarei em Teerã. Como me disse um experiente diplomata brasileiro, "a imprensa norte-americana é imbecil, a européia é estúpida".



Não acredito em tudo que veiculam.



Vou ao Irã para tentar retratar um país que ousou desafiar a "comunidade internacional" e que é uma potência científico-tecnológica com grande potencial econômico-comercial.



Vou ao Irã movido não apenas pelo enorme interesse brasileiro em investir ali, mas também pelo interesse cada vez maior do Oriente Médio, de apostar no Brasil.



Marcelo Rech é jornalista, editor do InfoRel e especialista em Relações Internacionais, Estratégias e Políticas de Defesa e Terrorismo e Contra-insurgência. E-mail: inforel@inforel.org

Assuntos estratégicos

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...
Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...