Brasília, 18 de novembro de 2018 - 11h25
O multilateralismo ameaçado

O multilateralismo ameaçado

06 de maro de 2018
por: InfoRel
Compartilhar notícia:
Marcelo Rech, especial de Madri

Não é segredo que o sistema multilateral atravessa momento extremamente delicado, principalmente com a chegada de Donald Trump ao poder nos Estados Unidos. Historicamente, Washington sempre olhou atravessado para as iniciativas multilaterais, sobretudo aquelas criadas sem a sua participação como o BRICS, por exemplo e até mesmo a UNASUL.

Iniciativas positivas resultantes do multilateralismo, sempre foram vistas como ameaças à hegemonia norte-americana. No entanto, a nova administração norte-americana tratou de reforçar essa ideia. Trump ataca constantemente a Organização das Nações Unidas (ONU) e já ameaçou abandonar a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), isso sem mencionarmos os acordos dos quais se retirou como o Tratado Transpacífico (TPP).

Na sua avaliação, os Estados Unidos aportam bilhões de dólares em recursos para instituições que não funcionam adequadamente, segundo o ponto de vista dos interesses globais norte-americanos. Qualquer entidade ou instituição que contraria ou simplesmente divirja da visão da Casa Branca, está fadada ao escárnio.

O slogan “a América em primeiro lugar” do presidente dos Estados Unidos alimenta o protecionismo e gesta conflitos, podendo inclusive provocar guerras. O sistema multilateral está longe de ser perfeito, mas ainda é melhor que a anarquia total onde cada um faz o que bem entende. O presidente norte-americano há pouco mais de um ano no poder, não parece nenhum pouco preocupado com o impacto objetivo de sua retórica espalhafatosa.

Por outro lado, a construção de um mundo multipolar assombra a atual administração norte-americana. Apesar de profundamente incoerente, a simples ideia dos Estados Unidos perderem protagonismo nos assuntos internacionais é suficiente para que Trump efetue todo tipo de ataques.

Essa postura que havia mudado sensivelmente com Barack Obama, o presidente que se reconciliou com Cuba, viabilizou o acordo nuclear com o Irã, visitou Hiroshima, e avançou na participação norte-americana em relação aos temas climáticos e de direitos humanos, agora dá uma forte guinada promovendo o retrocesso.

Se antes era difícil compreender o escopo e os métodos de vigilância de Washington em relação aos direitos fundamentais, agora há tendência de piora significativa. Algo que afeta o modelo de democracia vigente e que é apresentado como modelo a ser copiado pelos chamados “Estados párias”.

O multilateralismo cobra cumplicidade e a postura norte-americana denuncia um Estado indiferente ao trabalho conjunto em temas como Segurança Internacional, Terrorismo, Comércio e Direitos Humanos, por exemplo. Salvo quando Washington tem interesses específicos e quando pode impor as “soluções”.

Marcelo Rech é jornalista, diretor do InfoRel, especialista em Relações Internacionais, Estratégias e Políticas de Defesa, Terrorismo e Contrainsurgência e o Impacto dos Direitos Humanos nos Conflitos Armados. E-mail: inforel@inforel.org.

Assuntos estratégicos

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Especialistas apoiam adesão do Brasil à Convenção Internacional contra o Terrorismo Nuclear

Brasília – Com cerca de 30 instalações nucleares e 3.000 fontes de...
Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasil firma acordo para facilitar exportação de alimentos para a China

Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações...
Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Câmara de Comércio Árabe Brasileira quer trabalhar com governo do Brasil

Brasília – Apesar do anúncio feito pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, de...
Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Política Externa do novo governo desata críticas ao presidente eleito

Brasília – Os primeiros anúncios feitos pelo presidente da República...
CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

CREDN realizará audiência sobre a importância da Inteligência de Estado para o Brasil

Brasília – A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional...
Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Comunicado Conjunto dos Chanceleres da Espanha e do Brasil

Os chanceleres de Espanha, Josep Borrell, e do Brasil, Aloysio Nunes, mantiveram encontro de...
Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Declaração do G4 sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU

Em 25 de setembro de 2018, Sua Excelência a Senhora Sushma Swaraj, Ministra das...
Comunicado Conjunto do BRICS

Comunicado Conjunto do BRICS

Os Ministros das Relações Exteriores/Relações Internacionais do BRICS...